"Ajudando as mulheres a liderar, vencer, governar." ✫Desde 2009✫

Comentários ‘Beleza’

A dupla de designers finlandesas, Katriina Haikala e Vilma Metteri, criou uma nova gama de roupas de banho para mulheres que passaram por mastectomia, após enfrentarem o câncer de mama. O projeto intitulado Monokini 2.0 – nome inspirado em Rudi Gernreich, que projetou um maiô em que ambos os seios ficavam expostos nos anos 1960 – tem o objetivo de remontar a visão do público em relação à beleza e aparência física da mulher. As informações são do Daily Mail.

A ideia foi inspirada em Elina Halttunen, uma mulher diagnosticada com câncer de mama que precisou passar pelo procedimento de mastectomia. Enquanto muitas mulheres optam por fazer cirurgia reconstrutiva após a retirada da mama, Elina escolheu aceitar o novo corpo. Quando precisou comprar um biquíni, porém, não encontrou um modelo adequado para a condição em que estava.

“Esforçamo-nos para criar o que é aceito e considerado bonito, projetando uma coleção moda praia para as mulheres que passaram por câncer de mama e mastectomia”, disse Katriina. “Elina nos contatou há dois anos. Como artistas, nós tivemos que lidar com as questões de gênero e sexualidade”, continuou. Os modelos combinam recortes, cores e aplicações diferentes.

Elina desenhou o traje laranja que usou para o ensaio fotográfico do projeto. “Eu não quero esconder, não quero parar de nadar, não quero passar por cirurgias plásticas, nem ser forçada a usar prótese na praia. Quero me sentir livre como sempre fui antes do câncer e o Monokini 2.0 me deu essa chance”, relatou.

Do Terra

Faça sua doação!

Criada em 2010 por três irmãs, uma delas com câncer, a Fundação Laço Rosa – instituição sem fins lucrativos sediada no Rio de Janeiro – vem transformando a vida de centenas de mulheres, por meio de um serviço providencial: o Banco de Perucas Online. O projeto de doação gratuita de perucas pela internet para pacientes em quimioterapia já atendeu 700 mulheres em todo o País, com idades entre 17 anos e 68 anos. Até o final de 2014, a meta é chegar a 1.000 pacientes. O Laço Rosa, que inspirou o nome, é o símbolo internacional da luta contra o câncer de mama no mundo.

“Temos, em média, 30 novos pedidos de perucas por mês. Atendemos qualquer mulher na faixa etária de 16 anos a 95 anos, com qualquer tipo de câncer, principalmente, o de mama. Os dois Estados que mais pedem perucas são Rio de Janeiro e São Paulo, seguidos de Minas Gerais”, diz Marcelle Medeiros, presidente da ONG.

A ideia é resgatar autoestima das mulheres, visto que a peruca pode custar entre R$ 250,00 a R$ 4000,00 e nem todas podem pagar. Os cabelos para doação precisam estar secos, medir a partir de 20 cm, estarem amarrados com elástico na hora do corte e devem separar a ponta da raiz. A ONG conta ainda com um visagista, profissional que indica que tipo de corte, cor e modelo mais adequado à paciente.

“O afeto recebido fortalece a pessoa na hora do tratamento. As pessoas, quando fazem doação de perucas, cabelos, materiais ou financeira, gostam de escrever um bilhetinho e dizer o porquê estão fazendo isso”, explica Marcelle.

“Tenho o câncer de mama e a peruca melhorou bastante minha autoestima. Comecei a me arrumar mais, me maquiar também, isso foi fundamental para eu ter mais vontade de sair de casa. As pessoas olham apenas para nossa condição física, mas ninguém pensa como é importante o nosso psicológico”, diz a fluminense de Itaboraí, Manuela Nygaard, 30 anos, criadora do blog Era Uma Vez Um Câncer e usuária do Banco de Perucas Online.

Como tudo começou

A inspiração para a criação da instituição começou ainda em 2007, quando a carioca Aline Lopes, com 33 anos e grávida do primeiro filho, descobria e iniciava a sua batalha contra um câncer de mama. Ela então desenhou o projeto da Fundação Laço Rosa com as irmãs Andrea Ferreira e Marcelle Medeiros, concretizado em outubro de 2010. Aline se foi um mês depois.

“O espírito alegre dela, a gente carrega e tenta manter vivo na instituição. É um dos principais legados que a gente quer deixar: a positividade o alto astral, apesar das circunstâncias e da dificuldade da doença”, finaliza Marcelle.

Do Terra

Lupita Nyongo – Foto: Getty Images

Atriz que ganhou o Oscar por 12 anos de Escravidão lidera a lista das 50 mais belas da revista People

Ela levou o Oscar de melhor atriz coadjuvante por sua participação no filme 12 Anos de Escravidão. Também fechou um contrato recentemente com a marca Lancôme Paris. No entanto, o que Lupita Nyong’o nunca sonhou era atingir o topo da lista das 50 mulheres mais bonitas do mundo, segundo a revista People.

A lista completa das 50 mais bonitas pela revista People ainda não foi divulgada.

À publicação, Lupita disse que a novidade foi um “enorme elogio”. “Fico feliz por todas as garotas que vão me ver e se sentir um pouco mais vistas”, disse.

A atriz, nascida no México e criada no Quênia, disse que sempre associou beleza ao que via na TV. “Pele clara e cabelo longo, liso e reto”. “Inconscientemente, você começa a apreciar mais essas coisas do que você possui”, ressalta.

A mãe, Dorothy, sempre disse para a filha que ela era bonita. “Eu finalmente acreditei, em algum momento”, relembra.

Na adolescência, Lupita testou várias cores no cabelo – exceto loiro – e também chegou a raspar a cabeça. “Foi muito estranho e frio”, disse, rindo. “Foi assustador, mas gosto de ousar”, acrescentou. “Antes de pentear o cabelo ou colocar um vestido bonito, felicidade é o mais importante”, finalizou.

Do Terra

Participe!

Participe!

Consuelo vestindo Valisere – Do Consueloblog.com

Com as vendas do comércio em baixa no mês de junho, comerciantes paulistas foram procurar o publicitário João Dória que hes apresentou a ideia do “Dia dos Namorados”, celebrado no resto do mundo em 14 de fevereiro, dia de São Valentim.
A ideia foi aprovada e escolheu-se a véspera do dia de Santo Antônio considerado um santo casamenteiro.
Segundo o Almanaque Brasil, Em 12 de junho de 1949 aconteceu o primeiro Dia dos Namorados do Brasil.
“Não chamou muita atenção, apesar de uma enorme faixa estendida em frente a uma loja: Não é só de beijos que se prova o amor. Demorou mais de uma década para pegar. Mas deu certo. Hoje, é a terceira data mais pujante para o comércio brasileiro. Só perdendo para o Natal e o Dia das Mães – este último, também uma invenção do publicitário.”
Comercial ou não, a data mexe com nossos sentimentos e que atire a primeira pedra quem não se importa minimamente com essa celebração. Quem está só, muitas vezes fica meio incomodado por isso. Quem está acompanhado deseja celebrar com seu par, mesmo que enfrente filas em restaurantes e motéis.
Mulheres são especialmente sensíveis às sensações que o momento evoca e queremos mostrar nosso lado mais sedutor e feminino nessa celebração de amor. Nossa preparação costuma incluir uma visita ao salão de beleza para todos aqueles cuidados que nos deixam mais bonitas. À noite, uma lingerie escolhida com atenção especial, fará parte dos encantos e do clima de romance.
Infelizmente, a grande maioria da indústria de roupas íntimas ainda não entendeu que mulheres vêm em vários tamanhos, cores e idades! O varejo geralmente oferece coisinhas pequeninhas e super-sexy de um lado e camisolões sem graça de outro.
Se você passou dos 40, de idade ou de tamanho, vai ter que rodar por aí procurando uma peça bonita e adequada ao seu tipo.
Por isso fiquei agradavelmente surpresa ao ver a campanha da Valisere – sim, a gente não esquece…. com a blogueira e ícone de elegância Consuelo Pascolato Blocker.
Consuelo é linda, elegante e chique ao extremo, mas é uma mulher real, que foge ao estereotipo que aparentemente norteia a indústria. A campanha publicitária ficou muito atraente e seguramente tocou nesse sentimento de inadequação que muitas de nós sentimos quando entramos na casa dos “enta”. Podemos sim ousar algo mais sexy e sedutor nessa e em qualquer data especial. Faz um bem danado para nós e nossos relacionamentos.
Aproveitemos!
Com informações do blog Consueloblog.com

Ao ser diagnosticada com câncer de mama, Flávia Flores, 35 anos, resolveu transformar uma das fases mais difíceis de sua vida em um projeto de vida

flavia-flores_abre_ok

A EX-MODELO FLÁVIA FLORES: DICAS DE BELEZA PARA QUEM FAZ QUIMIOTERAPIA SE TRANSFORMARAM EM PROJETO DE VIDA (FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK)

“Se alguém falar que lidou super bem com o diagnóstico de câncer, não vou acreditar. Porque eu chorei, descabelei, pensei que fosse morrer”. Quem escuta esta frase quase não acredita que ela saiu da boca de Flávia Flores. No final de 2012, a ex-modelo de 35 anos foi diagnosticada com um câncer de mama agressivo. Fez mastectomia, perdeu o cabelo, os cílios, o namorado, mas não a vontade de ficar bonita. Por isso, criou uma página no Facebook batizada de “Quimioterapia e Beleza”, que reúne dicas de maquiagem, nutrição e lifestyle para mulheres que, assim como ela, estão passando pelo tratamento. E tudo com clima alto-astral. A página deu origem a um blog, com o mesmo nome.

Quem visita a fanpage e assiste aos vídeos de Flávia, não consegue imaginar a catarinense numa versão pessimista ou mal-humorada. “Tem dias que o corpo pede pra ficar na cama, quietinha. E eu obedeço. Mas de baixo-astral eu não fico”, conta ela em entrevista exclusiva para Marie Claire.

Durante a conversa, Flávia conta como descobriu o câncer, sua reação inicial diante da doença e como surgiu a ideia (inédita) de desenvolver um projeto totalmente dedicado a autoestima de mulheres que estão passando por tratamento contra o câncer.

Marie Claire: Como era a sua vida antes de descobrir que estava com câncer?

Flávia Flores: Eu morava sozinha em São Paulo há sete anos, estava me recuperando de uma separação difícil, um relacionamento de seis anos. Não sabia se permanecia na cidade ou voltava para perto da minha família, em Florianópolis, com o meu filho, Gregório, que hoje tem 20 anos [Flavia ficou grávida na adolescência]. Aí apareceu uma oportunidade de começar um projeto, em uma nova empresa. Decidimos que Gregório ficaria em Floripa e eu, em São Paulo, tocando esse trabalho para ver no que dava.

M.C.: Como descobriu a doença?

F.F.: Durante o banho, fiz o autoexame e percebi um carocinho no seio esquerdo. Foi fácil perceber porque sempre fui magra e, juro, um dia antes não tinha nada. De repente, estava lá um nódulo. Fui ao médico e ele disse para não me preocupar pois, por ter aparecido repentinamente e ser grande, aquilo devia ser resultado de uma batida ou glândula inflamada. Em seguida, fiz a mamografia e foi detectado que minha prótese de silicone estava rompida. Então, o médico propôs que trocássemos as próteses e tirássemos o tal caroço. Eu nem lembrava mais da existência daquilo no meu corpo. Fiz a operação e, 10 dias depois, saiu o resultado da biópsia: estava com um tipo agressivo de câncer de mama.

M.C.: Como reagiu à notícia de que estava com câncer de mama?

F.F.: Eu não conseguia respirar! Fiquei dez dias de cama, só chorava, desejava morrer. E não queria nem ouvir falar sobre quimioterapia. Pensava que meu cabelo cairia, que perderia sobrancelhas, cílios, formas do corpo, que ficaria pálida, sozinha e que as pessoas se afastariam de mim. Não queria passar pelo tratamento de jeito nenhum, afinal, já tinha tirado o carocinho, não tinha mais nada no meu corpo. Foi muito, muito difícil. Fora que eu nunca tinha tido contato com ninguém com câncer. Tive casos na família, mas eram pessoas que moravam longe, então eu não senti a situação de verdade. Mas eu tive muita força da minha mãe e do meu filho. O Gregório dormiu comigo nos primeiros dias, me deu força e sorte, disse que tudo iria passar, que depois do tratamento eu ficaria boa. E eu acreditei nele. Quem não reagiu nada bem foi o meu ex-namorado, que me largou.

M.C.: Como assim? Ele te abandonou por causa do câncer?

F.F.: Sim. Quando contei que estava com câncer, ele me deu força, disse que iríamos passar juntos por tudo aquilo, e eu acreditei, claro. Ele foi até Florianópolis comigo, ficou ao meu lado depois que fiz a mastectomia e, no domingo seguinte, pegou o voo para São Paulo para trabalhar. Depois disso, ele me bloqueou no facebook e nunca mais atendeu as minhas ligações. Não sei se foi porque eu iria ficar sem cabelo ou porque ficou com medo da responsabilidade de me acompanhar durante ou tratamento ou se fui chata em algum momento. Eu não entendi direito, mas coloquei na minha cabeça que tinha que ficar perto da minha família, cuidar da minha vida, da minha saúde, dos meus projetos.

M.C.: E você conseguiu se relacionar com outros homens depois?

F.F.: Sim, eu estou namorando e muito feliz! No dia 21 de dezembro de 2012, postei um vídeo em que raspo a cabeça e um amigo de Facebook, o Ricardo, comentou que eu estava linda. Contei pra ele que aquilo era resultado de um câncer e começamos a conversar virtualmente. Aí eu fui para São Paulo, nos encontramos e ficamos. Passamos Ano Novo juntos, Carnaval. Aliás, foi quando eu postei uma foto de biquíni, na praia, que as pessoas começaram a perguntar se eu podia tomar sol, quais os cuidados que uma pessoa com câncer tinha que ter na praia. E eu passei a postar mais vídeos e dicas, a levar o projeto mais a sério.

Leia o restante »

Croquis de Lenny, Iódice, Andrea Marques e Espaço Fashion para o Verão 2014. As peças serão apresentadas durante o Fashion Rio - Divulgação

Croquis de Lenny, Iódice, Andrea Marques e Espaço Fashion para o Verão 2014. As peças serão apresentadas durante o Fashion Rio – Divulgação

O Fashion Rio, semana de moda carioca, mostra as novidades da moda praia e comercial para o Verão 2014 entre esta segunda (15) e a sexta-feira com desfiles na Marina da Glória.

A novidade fica por conta da entrada da Maria Filó no lineup. A marca de Ipanema é sucesso de vendas em todo o Brasil e lançou coleção em parceria com a rede de varejo C&A no ano passado. No dia 1º de abril, a Maria Filó anunciou a compra da Filhas de Gaia, que também integra a programação da semana de moda carioca.

A Iódice, que integrava o São Paulo Fashion Week, estreia no Fashion Rio. Na moda praia, Blue Man, Lenny, Salinas e Triya mostram suas novas criações.

Nas passarelas, o destaque fica com a presença de Bruna Marquezine na passarela da Coca-Cola Clothing, na noite do dia 18.

Desta vez, o salão de negócios não será realizado paralelamente aos desfiles. Os concorrentes Rio-à-Porter e Fashion Business se uniram e viraram o Salão Bossa Nova de Moda e Negócios, que acontecerá entre 14 e 17 de maio.

 
Dia 15 de abril, segunda-feira
19h 2nd Floor
20h30 Filhas de Gaia
22h Alessa
 
Dia 16 de abril, terça-feira
12h Blue Man
18h Maria Filó
19h Coven
20h30 Iódice
22h Espaço Fashion
 
Dia 17 de abril, quarta-feira
17h Andrea Marques
18h Sacada
19h Oh Boy
20h Cantão
21h Lenny Niemeyer
22h TNG
 
Dia 18 de abril, quinta-feira
12h Patrícia Viera
17h Nica Kessler
18h Herchcovitch
19h Salinas
21h Coca-Cola Clothing
22h Reserva
 
Dia 19 de abril, sexta-feira
17h Bianca Marques
18h Oestúdio
19h30 R.Groove
21h Triya
22h Ausländer
 
Do Uol

Foto apareceu no Flickr oficial da Casa Branca. Primeira-dama também tuitou o novo retrato.

Nova foto oficial de Michelle Obama (Foto: Casa Branca)

Nova foto oficial de Michelle Obama (Foto: Casa Branca)

A Casa Branca divulgou nesta quarta-feira (20) o novo retrato oficial da primeira-dama Michelle Obama para o segundo mandato do presidente Barack Obama.

A foto apareceu no Flickr oficial da Casa Branca e a primeira-dama também postou ela no Twitter.

A foto foi tirada no Salão Verde da Casa Branca, pelo fotógrafo oficial Chuck Kennedy.

Do G1
Após mais de uma década, Kiara retomou a carreira no mundo da moda Foto: Divulgação

Após mais de uma década, Kiara retomou a carreira no mundo da moda
Foto: Divulgação

A modelo Kiara Kabukuru, famosa nos anos 1990, pensou que sua carreira havia acabado, após acidente de carro que quase a matou. Porém, depois de diversas cirurgias de reconstrução e mais de uma década, a top está pronta para voltar a ativa, segundo o jornal Daily Mail. Kiara, hoje com 37 anos, chegou a desfilar pela Victoria’s Secret antes de ser atingida por um caminhão quando andava de bicicleta em Nova York, em 2000.

Após ter o rosto mutilado, Kiara encarou diversos procedimentos cirúrgicos e contou com o apoio de amigos, como a top Gisele Bündchen, para retomar a carreira. Agora, a modelo se prepara para participar da primeira edição da nova revista de Carine Rotifeld, a CR Fashion Book, e estrela a capa de março da revista W.

Depois de escapar de Uganda como refugiada política com seus pais, aos seis anos, Kiara foi morar em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde foi descoberta pelo fotógrafo de moda, Bill Bodwell, enquanto andava por um shopping aos 16 anos. Ao assinar contrato com a agência Ford, a top teve seu nome alterado de Alice pra Kiara, considerado mais exótico. “É confuso porque eu parei de modelagem por tanto tempo, e como eu nunca desisti oficialmente do meu próprio nome, todo mundo começou a me chamar de Alice de novo”, contou à revista W. A top contou ainda que os amigos, como Gisele, que a conheceram como Kiara, demoraram anos para chamá-la pelo nome original.

O primeiro trabalho comercial de Kiara foi para a Coca-Cola, seguido por um anúncio para a Levi’s e trabalhos para a Calvin Klein, desfiles exclusivos para a Gucci em Milão, um contrato com a L’Oreal e ensaios para a Vogue. Na época a top era vista com as amigas Stephanie Seymour, Naomi Campbell, Bridget Hall e Elaine Irwin. “E então no auge de tudo isso, eu estava prestes a assinar um contrato com a Covergirl, e quando sofri o acidente”, explicou ela.

A modelo foi arrastada pela calçada e se lembra de pegar seus dentes espalhados pelo chão. “[No hospital] todo mundo estava olhando com uma cara de “oh, meu Deus”, mas ninguém me mostrava um espelho”, contou. Com muitos ossos quebrados e machucados pelo corpo todo, Kiara precisou ter sua mandíbula, seus dentes e as gengivas reconstruídos. “Qualquer movimento era insuportável”, afirmou. A top ficou em um cadeira de rodas por dois meses e não era capaz de tomar banho ou ir ao banheiro sozinha. , que estava em uma cadeira de rodas por dois meses, explicou. “Foi devastador”, desabafou.

Em 2003 ela se mudou para Los Angeles, onde ela começou um rigoroso treinamento físico, e passou por sete cirurgias. Em 2008, ela já deu alguns passos para sua volta ao mundo da moda com um trabalho para a Vogue italiana. A volta para Nova York, em 2010, foi um grande passo para superar o trauma. “Eu estava muito assustada com a cidade. Então, foi uma façanha eu conseguir voltar. Eu fiz ioga todos os dias e me obrigava a fazer coisas todos os dias para me manter bem aqui”, disse ela.

Foi no final de 2011 que Gisele sugeriu à amiga que retornasse à moda. “Eu sabia que havia algo inacabado. Então, questionei: ‘você já pensou em modelar de novo?’”, explicou a modelo brasileira. Atualmente Kiara está prestes a fechar um contrato com uma empresa de cosméticos. “Na minha vida, houve muitas reviravoltas. Acho que eu estava provando a mim mesma a minha força e capacidade de sobreviver. E agora estou pronta”, garantiu.

Do Terra
Tanesha Awasthi fundadora do blog Girl With Curves (Foto: Reprodução/ Girl With Curves)

Tanesha Awasthi fundadora do blog Girl With Curves (Foto: Reprodução/ Girl With Curves)

Cansadas de esperar as grandes publicações de moda darem atenção às leitoras plus size, muitas mulheres resolveram criar seu próprio universo fashion na Internet. O conteúdo dos blogs varia de fotos de roupas à descrições em favor da aceitação do corpo. Isso acabou criando um movimento na web conhecido como “fatshion“ (combinação de “fat”- que significa gordo – e fashion).

No Tumblr, pode ser notado também o uso de hashtags como #fatshion e #fatspo como forma de ridicularizar o uso de “thinspo” ou “thinspiration” (combinação das palavras “thin” e “inspiration” que significam “magro“ e “inspiração”), prática comum de compartilhar fotos e vídeos de celebridades e mulheres comuns incrivelmente magras para encorajar a perda de peso.

Bethany Rutter, criadora do blog “Archedeyebrow” diz que a ideia de sua página não é apenas falar de estilo. “Apesar de meu blog ser mais focado em roupas, há algo radical no modo como abordo o assunto que nasce de um impulso político de questionar a imagem do que significa ser acima do peso”. Para a blogueira “afirmar que sente um sólido amor próprio é radical para qualquer um, ainda mais para uma gordinha”.

O conteúdo irônico e irreverente produzido pela blogueira atinge a maior parte da comunidade plus-size e faz lembrar do caso de Nancy Upton, vencedora de um concurso lançado pela marca de roupas American Apparel que pretendia escolher a gordinha mais bonita. Com fotos que a mostravam com vários tipos de comida acompanhadas da frase “eu simplesmente não consigo parar de comer”, Upton fez seu protesto e levou a discussão a nível nacional.

O tumblr Girl With Curves (Garotas Com Curvas, em português) aponta diretamente para a tensão invisível que existe entre a moda padrão e a moda plus size. A página foi originalmente dedicada a fotos da criadora Tanesha Awasthi mostrando seus looks. No entanto, ali já são apresentadas dicas e uma seção de estilo de vida junto às imagens, como um verdadeiro blog de moda deve ser.

Nancy Upton protesta contra concurso de grife americana (Foto: Reprodução/ ExtraWiggleRoom)

Nancy Upton protesta contra concurso de grife
americana (Foto: Reprodução/ ExtraWiggleRoom)

O Girl With Curves já possui 200.000 seguidores e já foi notícia em grandes publicações como New York Times, Glamour, Marie Claire.it e muitas outras. Tanesha Awasthi entende como o mercado funciona e quais são as necessidades de suas seguidoras. A blogueira oferece inspiração, tutoriais e formas fáceis de compartilhamento no Pinterest e Instagram – grandes redes sociais de imagens.

Amanda Valdez, criadora do blog “Fashion, Love and Martitnis”, lembra de quando começou seus posts. “Se você procurar meus posts e vídeos mais antigos vai ver que eu não aceitava meu corpo e mostrava muita pressão para emagrecer.”

Amanda conta que “quanto mais eu me dedicava ao blog, fazia amizades com outras blogueiras e via os posts de outras meninas parecidas comigo, mais eu começava a aceitar meu corpo. Então o conteúdo do blog passou a ser mais sobre meu estilo pessoal e minhas experiência de vida. O engraçado é que agora eles estão tendo o mesmo efeito em outras meninas que ainda não se aceitam como são”.

 Do TechTudo
Ig
outubro 2014
D S T Q Q S S
« set    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
Curta!
Mulheresnopoder