"Ajudando as mulheres a liderar, vencer, governar." ✫Desde 2009✫

Arquivos para a ‘Poder’ Categoria

Ela foi baleada na cabeça aos 15 anos por defender a educação feminina. Aos 17 anos, é a mais jovem ganhadora do prêmio Nobel.

A adolescente Malala Yousafzai discursa na ONU (Foto: AFP)

A paquistanesa Malala Yousafzai, de 17 anos, ganhadora do Nobel da Paz de 2014 junto com o indiano Kailash Satyarthi, não conquistou sua notoriedade de maneira fácil. A jovem se tornou conhecida ao mundo após ser baleada na cabeça por talibãs ao sair da escola, quando tinhas 15 anos.

O ataque aconteceu no dia 9 de outubro de 2012. Malala seguia em um ônibus escolar. Seu crime foi se destacar entre as mulheres e lutar pela educação das meninas e adolescentes no Paquistão – um país dominado pelos talibãs, que são contrários à educação feminina.

No Vale de Swat, no noroeste do país profundamente conservador, onde muitas vezes se espera que as mulheres fiquem em casa para cozinhar e criar os filhos, as autoridades afirmam que apenas metade das meninas frequentam a escola – embora este número fosse ainda menor, de 34%, segundo dados de 2011.

Malala cresceu e nasceu nesse contexto. No início de sua infância, a situação ainda era melhor, com a educação das meninas sendo realizada sem muito questionamento. Nos anos 2000, entretanto, a influência do talibã se tornou cada vez maior, até que o grupo dominou a região, em 2007.

Em 2008, o líder talibã local emitiu uma determinação exigindo que todas as escolas interrompessem as aulas dadas às meninas por um mês. Na época, ela tinha 11 anos. Seu pai, que era dono da escola onde ela estudava, e sempre incentivou sua educação, pediu ajuda aos militares locais para permanecer dando aulas às meninas. Entretanto, a situação era tensa.

Naquela época, um jornalista local da BBC perguntou ao pai de Malala se alguns jovens estariam dispostos a falar sobre sua visão do problema. Foi quando a menina começou a escrever um blog, “Diário de uma Estudante Paquistanesa”, no qual falava sobre sua paixão pelos estudos e as dificuldades enfrentadas no Paquistão sob domínio do talibã.

O blog era escrito sob um pseudônimo, mas logo se tornou conhecido. E Malala não tinha receios em falar em público sobre sua defesa da educação feminina.

Os posts para a BBC duraram apenas alguns meses, mas deram notoriedade à menina. Ela deu entrevistas a diversos canais de TV e jornais, participou de um documentário e foi indicada ao Prêmio Internacional da Paz da Infância em 2011. Na época, ela não ganhou – mas foi laureada com o mesmo prêmio em 2013.

A família de Malala sabia dos riscos – mas eles imaginavam que caso houvesse um ataque, o alvo seria o pai da menina, Ziauddin Yousafzai, um ativista educacional conhecido na região.

Quando houve o ataque, a situação já estava mais calma – os talibãs já haviam perdido o controle do Vale do Swat para o exército, em 2009. Por isso, o tiro levado pela menina foi ainda mais chocante.

No dia 9 de outubro, Malala deixou sua escola e seguiu para o ônibus que a levava para casa. Posteriormente, ela contou ter achado estranho o fato de as ruas estarem vazias. Pouco depois, dois jovens subiram no ônibus, perguntaram por ela e dispararam. Além de Malala, outras duas meninas também foram baleadas.

A menina foi socorrida e levada de helicóptero para o hospital militar de Peshawar. Relatos da época apontam que Malala ainda ficou consciente, apesar do tiro ter atingido sua cabeça, mas que se mostrava confusa.

Sua condição piorou, e ela precisou passar por uma cirurgia. O caso passou a ser acompanhado por todo o mundo, e o próprio governo do Paquistão passou a ter mais atenção. Um grupo de médicos britânicos que estava no país foi convidado para avaliar a situação de Malala, e sugeriram que a menina fosse transferida para Birmingham, onde receberia tratamento e teria mais chances de se recuperar.

A chegada de Malala ao Reino Unido aconteceu seis dias após o ataque. Ela foi mantida em coma induzido, e quando despertou, dez dias depois, logo demonstrou estar consciente, procurando questionar onde estava e o que havia ocorrido, mesmo estando entubada e não podendo falar.

A jovem ainda passou por uma segunda cirurgia, e sua recuperação foi surpreendente, segundo os médicos. Havia riscos de sequelas cognitivas e problemas na fala e no raciocínio, mas Malala escapou do ocorrido sem problemas.

A jovem teve alta apenas em janeiro, e continuou o tratamento na Inglaterra, onde passou a viver com sua família. Atualmente, ela frequenta uma escola na cidade de Birmingham.

Embora Malala tenha recebido muito apoio e elogios ao redor do mundo – incluindo diversas manifestações contra o ataque, no Paquistão a resposta para a sua ascensão ao estrelato foi mais cética, com alguns acusando-a de agir como um fantoche do Ocidente. Mesmo estando na Inglaterra, ela continuou a receber diversas ameaças dos talibãs.

O governo do Paquistão chegou a identificar alguns dos talibãs que teriam participado do ataque, mas ninguém permaneceu preso.

Diálogo

Em entrevista à BBC, Malala disse que “a melhor maneira de superar os problemas e lutar contra a guerra é através do diálogo. Esse não é um assunto meu, esse é o trabalho do governo (…) e esse é também o trabalho dos EUA”.

A jovem considerou importante que os talibãs expressem seus desejos, mas insistiu que “devem fazer o que querem através do diálogo. Matar, torturar e castigar gente vai contra o Islã. Estão utilizando mal o nome do Islã”.

Em sua entrevista à “BBC”, Malala também assegura que ela gostaria voltar algum dia ao Paquistão para entrar na política.

“Vou ser política no futuro. Quero mudar o futuro do meu país e quero que a educação seja obrigatória”, disse a jovem.

“Para mim, o melhor modo de lutar contra o terrorismo e o extremismo é fazer uma coisa simples: educar a próxima geração”, insistiu. “Acredito que alcançarei este objetivo porque Alá está comigo, Deus está comigo e salvou a minha vida”.

“Eu espero que chegue o dia em que o povo do Paquistão seja livre, tenha seus direitos, paz e que todas as meninas e crianças vão à escola”, ressaltou a menor, se expressando com eloquência e muita segurança cada vez que fala da situação em seu país.

Malala admitiu que a Inglaterra causou em sua família uma grande impressão, “especialmente em minha mãe, porque nunca havíamos visto mulheres tão livres, vão a qualquer mercado, sozinhas e sem homens, sem os irmãos ou os pais”.

Após a entrevista, os talibãs paquistaneses acusaram Malala de não “ter coragem” e prometeram que vão atacá-la novamente se tiverem uma chance. “Nós atacamos Malala porque ela falava contra os talibãs e o Islã e não porque ela ia à escola”, explicou Shahid, referindo-se ao blog que Malala escrevia na “BBC” e que lhe valeu reconhecimento internacional.

Luta pública

Seu primeiro pronunciamento público ocorreu nove meses após o ataque, quando fez um discurso na Assembleia de Jovens da ONU. Na ocasião, ela reforçou que não será silenciada por ameaças terroristas. “Eles pensaram que a bala iria nos silenciar, mas eles falharam”, disse em um discurso no qual pediu mais esforços globais para permitir que as crianças tenham acesso a escolas. “Nossos livros e nossos lápis são nossas melhores armas”, disse ela na oportunidade. “A educação é a única solução, a educação em primeiro lugar”.

“Os terroristas pensaram que eles mudariam meus objetivos e interromperiam minhas ambições, mas nada mudou na vida, com exceção disto: fraqueza, medo e falta de esperança morreram. Força, coragem e fervor nasceram”, completou.

Após o discurso, um alto comandante do talibã paquistanês escreveu uma carta a Malala acusando-a de manchar a imagem de seu grupo e convocando-a a retornar para casa e a estudar em uma madrassa. Adnan Rasheed, um ex-membro da força aérea que entrou para os quadros do TTP, disse que gostaria que o ataque não tivesse ocorrido, mas acusou Malala de executar uma campanha para manchar a imagem dos militantes.

“É incrível que você esteja gritando a favor da educação; você e a ONU fingem que você foi baleada por causa da educação, mas esta não é a razão… não é pela educação, mas sua propaganda é a questão”, escreveu Rasheed. “O que você está fazendo agora é usar a língua para acatar ordens dos outros.”

Na carta, Rasheed também acusou Malala de tentar promover um sistema educacional iniciado pelos colonizadores britânicos para produzir “asiáticos no sangue, mas ingleses por gosto”, e disse que os alunos devem estudar o Islã, e não o que chama de “currículo secular ou satânico”.

“Aconselho você a voltar para casa, a adotar a cultura islâmica e pashtun, a participar de qualquer madrassa islâmica feminina perto de sua cidade natal, a estudar e aprender com o livro de Alá, a usar sua caneta para o Islã e a se comprometer com a comunidade muçulmana”, escreveu Rasheed.

DO G1

Mesmo com três candidatas na disputa presidencial, a presença das mulheres na política não afasta as abordagens machistas. Os principais pontos da agenda feminista continuam na periferia dos debates.

Urna

No próximo domingo, 5 de outubro, iremos às urnas para escolher o próximo presidente do país. Peraí, deixa eu reeditar essa frase usando o gênero correto, de acordo com as últimas pesquisas: iremos às urnas para escolher a próxima presidente da República (ou como a atual gosta de dizer, presidentA). Menos de 30 anos depois da redemocratização no Brasil, a disputa presidencial ostenta três figuras femininas: Dilma Roussef, Marina Silva e Luciana Genro. O que isso significa para a luta das mulheres por respeito e igualdade de direitos?

Os números sugerem avanços na participação feminina na política brasileira. Em relação às eleições de 2010, as candidaturas femininas cresceram 46,5%, de acordo com o TSE. Não dá pra negar que houve um aumento quantitativo da presença feminina nas urnas. O que parece estar avançando a passos lentos é a mudança na abordagem da figura feminina dentro do cenário político. A agenda de discussões também continua sendo pautada pela lógica masculina. E lá vamos nós, mulheres, vestidas com “as roupas e as armas” de um jogo político cujas regras e cenário são predominantemente masculinos.

Você está duvidando? Vou te dar um exemplo bem simples. Pare agora a leitura e faça uma busca no Google com as palavras Marina Silva +roupas. Ou Dilma + roupas. Faça o mesmo com o Aécio. Vai perceber que há centenas de reportagens discutindo a aparência, o estilo, a maquiagem e até o peso das candidatas. Já para os candidatos, esses temas não têm a mesma relevância. Não é que eu não goste de falar de roupas ou moda – pelo contrário. Esses são assuntos importantes em um mundo em que a troca simbólica e visual é a base da nossa cultura. O que incomoda é o subtexto dessas discussões sobre as candidatas – uma forma sutil e arraigada de desqualificar o papel da mulher, ou de atrelá-lo sempre à valorização da aparência, da estética, da dialética entre bonito (com valor) x feio (sem valor). A gente nem percebe, mas por trás dessas análises de estilo, dos memes sobre o coque da Marina e das piadas sobre o jeito da Dilma se vestir está um discurso de coisificação e desqualificação da mulher em seu papel de autoridade pública.

Indo além nessa reflexão, o que poderia ser um avanço é apenas um crescimento da participação da mulher no cenário político. Estamos em maior número na disputa eleitoral, mas a agenda de discussão ainda não mudou por causa disso. Em qual debate falou-se sobre a isonomia salarial para homens e mulheres? Você ouviu alguma candidata falar sobre isso? Afinal, somos mais da metade do eleitorado, queremos ganhar o mesmo que os homens, quando ocupamos função semelhante. E os direitos da mulher, como a licença maternidade? Alguém propôs instituir no setor privado a licença de 6 meses? Ou ao menos discutir isso com os setores econômicos, a exemplo do que é praticado nos países desenvolvidos? Questões como violência contra a mulher, avanços e desafios da Lei Maria de Penha também estão na periferia da agenda eleitoral – mesmo sabendo-se que somos a maioria da população. E a legalização do aborto é um tema tratado em terceira pessoa pelas próprias mulheres, carregado de dogmas religiosos e de uma visão medieval da realidade feminina.

Não quero culpar as candidatas. Mudanças estruturais levam tempo, mudanças culturais levam décadas. Não acredito que uma única figura política possa transformar paradigmas em um ambiente tão machista quanto o cenário político. Cabe a cada uma de nós contribuir para esses avanços. Diariamente, nas nossas relações pessoais e profissionais. Vamos participar mais da política, vamos quebrar a corrente da desqualificação da imagem feminina, cobrir isso dos nosso representantes. Boicotar discussões discriminatórias. Vamos desconstruir a agenda de prioridades nas discussões das Assembléias Legislativas, nos governos locais. Somos maioria! Vamos transformar essa vantagem quantitativa em mudança qualitativa. Vamos ocupar os espaços de poder e mudar a forma de encarar a política e o papel da mulher. Você vem?

Jamila Gontijo Piffer

Jamila Gontijo Piffer

Jamila Gontijo Piffer é jornalista e escritora. Trabalha com consultoria de conteúdo e assessoria nas áreas de política, cultura e gastronomia. Tem aversão a rótulos e paixão pelas causas femininas. Está sempre em busca de descobertas nesse vasto mundo. Desenvolve pesquisa sobre as culturas matriarcais e seu arcabouço cultural há mais de vinte anos. Nas horas vagas, canta, dança e fotografa como forma de expressão artística.

O trabalho de Rosa Gonçalves como empregada doméstica em Santos (SP) no fim dos anos 70 era embalado pelos hits que saíam de um radinho de pilha, apoiado na janela da cozinha.

Um dia, perguntou para a patroa o que significava “She’s my girl”, nome da música de Morris Albert que fazia parte da trilha sonora da novela “Anjo Mau”, em 1976.

“Ela é minha namorada”, foi a resposta.

“Ah, um dia eu vou aprender a falar inglês”, disse Rosa.

“Imagina, inglês é para gente estudada. Você nunca vai aprender inglês”, cortou a patroa.

Rosa solta um gargalhada ao contar a história, em sua casa em Londres. Na cidade onde mora desde 1978, ela virou liderança comunitária e empresária social.

“Olha onde eu vim parar. E falo inglês melhor que muitos no Brasil hoje em dia”


 

O relato de sua vida foi registrado neste ano pelo Clique Brasiliance, um projeto de valorização da história da comunidade brasileira em Londres que colheu depoimentos de onze pessoas que emigraram do Brasil entre os anos 60 e 80.

Entre a roça e a cozinha

Rosa cresceu em Amparo, no interior de São Paulo. Ela conta que aos seis anos foi treinada para ser empregada. “Porque até aí eu sabia fazer o trabalho em casa, mas não na casa dos outros”, diz.

Nesse dia, cozinhou e serviu seu primeiro almoço – matou uma galinha, a cortou em pedaços e refogou com chuchu.

Depois disso, passou anos se revezando entre o trabalho na roça e como doméstica. Aos 18, foi trabalhar para uma família em Santos. A jornada era quase ininterrupta – havia um dia de folga, às vezes apenas uma tarde, por semana.

Em uma ocasião, as crianças a chamaram de “King Kong”, imitando gestos de macaco. “Quando me levantei para sair correndo atrás delas, foram chamar um tio, que quis me bater”, conta ela.

Cerca de dois anos depois, em 1978, ela foi convidada por outra família a se mudar para Londres, onde trabalharia como empregada por dois anos. Mesmo diante do desafio de emigrar para um país totalmente diferente e distante, Rosa achou que era a chance de “andar para a frente”.

O início foi muito difícil, mas ela não teve vontade de voltar.

“Quando eu cheguei aqui eu chorei por seis meses. Uma dor tão grande. Escrevia carta todos os dias. Não mandava todos os dias, então as cartas iam todas numeradas. Mas eu achava que se eu voltasse a vida podia ser pior”, contou.

Ilegal

Depois de um ano, Rosa deixou o emprego de doméstica e passou a ser camareira em um hotel, onde ganhava 35 libras por semana para trabalhar de 7h às 14h, todos os dias da semana. De tarde, fazia diárias em pousadas por 5 libras. Atualizado pela inflação, isso seria o equivalente a uma renda semanal de cerca de 225 libras hoje ou R$ 850.

Seu visto de dois anos venceu e a brasileira continuou ilegalmente em Londres. Quando se recusou a se relacionar com um homem, amigo do dono de uma pousada onde alugava um quarto, foi denunciada para a imigração.

Rosa passou a tarde na cela de uma delegacia de polícia, mas acabou sendo liberada. Era início dos anos 80, época de protestos violentos em Brixton, bairro de forte migração afrocaribenha no sul de Londres.

A tensão racial era alta no período e havia problemas mais sérios para a polícia se preocupar, conta. Depois disso, conseguiu regularizar sua situação.

Líder comunitária

Rosa passou anos morando em quartinhos alugados até que, em 1984, se mudou para um apartamento em Ferrier Estate, uma espécie de conjunto habitacional em Greenwich, no sudoeste de Londres, com prédios de concreto onde viviam cerca de 5 mil pessoas.

Ela gostava do local e de sua diversidade – havia pessoas dos mais variados locais do mundo, ela lembra. Mas Ferrier Estate era considerado decadente e perigoso e o governo local decidiu demoli-lo para dar lugar a um mega empreendimento imobiliário.

Controverso, o processo se arrastou por mais de um década. A ideia começou a ser discutida em 1999, depois de alguns anos começaram as remoções e apenas em 2010 teve início o processo de demolição. O novo condomínio ainda está sendo erguido.

A perspectiva de demolição de sua casa levou Rosa a participar das negociações sobre como as pessoas seriam removidas, para onde seriam levadas e quais seriam seus direitos. Acabou se tornando uma liderança do bairro.

Leia o restante »

Esmalte antiestupro: criadores esperam que produto ajude a prevenir a violência sexual

Reprodução

Proteger o maior número possível de mulheres da experiência da violência do estupro com um recurso simples de aplicar, discreto e barato.

Com esse objetivo um grupo de estudantes da Universidade Estadual da Carolina do Norte (EUA) criou um esmalte que muda de cor em contato com substâncias conhecidas como drogas de estupro ou “boa noite cinderela” – a mais famosa é o GHB (gama-hidroxibutirato).

“Isso é quase uma em cada cinco mulheres em nosso país. Podemos não saber quem são, mas essas mulheres têm um rosto. Eles são as nossas filhas, nossas namoradas e nossas amigas”, diz o texto de apresentação da startup criada por Tasso Von Windheim, Tyler Confrey-Maloney, Stephan Gray and Ankesh Madan para desenvolver e produzir os esmaltes.De acordo com a página da empresaUndercover Project no Facebook, somente nos Estados Unidos, 18% das mulheres são vítimas de estupro ao longo da vida e o uso de substâncias para facilitar o abuso e a violência sexual contra mulheres é algo comum, em especial no âmbito estudantil.

Uma vez aplicado nas unhas, o esmalte permite à mulher testar a presença de drogas de abuso na bebida apenas mexendo o drinque discretamente com o dedo. O produto ainda está em testes, mas não deve demorar para chegar ao mercado, já que conseguiu atrair a atenção de investidores de peso depois que a empresa ficou entre os seminfinalistas da Kairos 50, uma iniciativa global para premiar empreendedores com menos de 25 anos.

Grupo Meio & Mensagem realiza no País segunda edição do Women to Watch. Conheças as indicadas de 2014

Reprodução

Mulheres que se destacam hoje no mercado brasileiro por terem conseguido chamar a atenção em um ambiente extremamente masculino, como é o da criação publicitária. Outras por desenvolverem um trabalho de altíssima qualidade na condução da área de marketing e negócios de importantes marcas. Há ainda aquelas que estão com foco regional, voltadas a alavancar operações de grupos internacionais na América Latina. Com perfis variados, mas todas oriundas de trajetórias ascendentes, as sete mulheres indicadas ao Women to Watch 2014 têm um traço em comum: estão dando sua contribuição para transformar o mercado de comunicação e marketing (confira lista abaixo).

Criada pelo Advertising Age em 1997, o Women to Watch chegou ao Brasil no ano passado por iniciativa do Grupo Meio & Mensagem. Além do mercado norte-americano, China, Brasil e Turquia realizam a premiação cuja missão editorial é incentivar as conquistas femininas em uma indústria em transformação. “O foco é dar luz à excelência do trabalho das mulheres. Por meio de um trabalho apurado selecionamos as profissionais que já estão hoje em posição de destaque e que têm potencial para crescerem ainda mais e se tornarem de fato líderes de suas áreas nos próximos anos”, comenta Maria Laura Nicotero, diretora executiva de eventos do Grupo Meio & Mensagem.

A lista foi elaborada pelo conselho editorial do Meio & Mensagem após uma consulta a um grupo de formadores de opinião do mercado. A cerimônia de homenagem às sete indicadas da edição 2014 do Women to Watch será no dia 18 de setembro, no Hotel Hilton. Os patrocinadores desta edição são GNT, McDonald’s e Eco Benefícios com apoio de mídia de Exame e Você S/A.

Do Meio & Mensagem

Como reforçar nas redes sociais a ideia de que a mulher é dona do próprio corpo? A ilustradora mineira Carol Rossetti encontrou no desenho a ferramenta certa para lutar contra o machismo e espalhar ideias que tornam a mulher mais livre, segura e feliz.

Da celulite à opção por não ter filhos e do shortinho ao sexo casual, Carol Rossetti usa desenhos e frases certeiros. Mas o feminismo e o empoderamento da mulher não é o único tópico a ser abordado pela arte da mineira.

Na sequência, a ilustradora também abordou temas como o racismo e a homofobia. E se esses problemas são universais, nada mais justo do que permitir que falantes de outras línguas compreendam essas belas ilustrações, não é mesmo? Para isso, ela contou com ajuda na tradução para o inglês e o espanhol, entre outros idiomas.

Confira algumas das ilustrações e compartilhe essa ideia!

Do Hypeness

Solenidade de posse da ministra Maria Elizabeth Rocha, primeira mulher a comandar o Superior Tribunal Militar José Cruz/Agência Brasil

A ministra Maria Elizabeth Guimarães Teixeira Rocha tomou posse hoje (16) na presidência do Superior Tribunal Militar (STM). É a primeira vez em 206 anos de existência que uma mulher preside a corte. Maria Elizabeth terá um mandato de curta duração, com apenas nove meses, e disse agirá em favor da igualdade de gênero e contra a discriminação a homossexuais nas Forças Armadas.

Antes da posse, a nova presidenta do STM concedeu uma entrevista coletiva e falou sobre o desafio de comandar a mais alta corte militar do país. “Primeiro, por uma questão de gênero, pelo empoderamento e ampliação da [presença da] mulher nos espaços públicos; e é sintomático que esta corte nunca tenha tido uma mulher antes de mim. Eu encaro como um desafio, com honra, porque esta foi uma corte que eu sempre admirei e que sempre engrandeceu a história do Judiciário, da democracia e do Estado de Direito”, disse.

Em seu discurso de posse, Maria Elizabeth louvou a presença das mulheres nas Forças Armadas e disse que o empoderamento feminino aperfeiçoa a República. “Uma democracia sem mulheres é uma democracia incompleta,” sentenciou.

Doutora em direito constitucional pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Maria Elizabeth, 54 anos, foi indicada ao STM em 2007 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Eleita no ano passado como vice-presidenta da corte para o biênio 2013-2015, ela agora vai substituir o general-de-exército Raymundo Nonato de Cerqueira Filho, que se aposentou. A vice-presidência será ocupada pelo ministro Fernando Fernandes.

Desde sua posse como ministra, a atual presidente do STM tem defendido a igualdade de tratamento a homossexuais nas Forças Armadas. “Há um preconceito não só dos militares, mas de toda a sociedade brasileira com relação à orientação sexual”, avaliou. “Todos nós, cidadãos brasileiros heterossexuais ou homossexuais, temos um compromisso com a pátria e ninguém não pode ser segregado como se fosse cidadão de primeira ou segunda categoria. O Estado não pode promover o discurso do ódio”, acrescentou.

Maria Elizabeth passa a comandar um órgão que recebe de 2 mil a 3 mil processos por ano. Durante a posse, a ministra defendeu que a corte tenha direito a uma vaga no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). “Somos a mais antiga corte do país, mas não temos voz nem voto ali dentro e isto me parece uma inconstitucionalidade, para dizer o mínimo,” criticou.

Ela também criticou a posição do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, que recentemente defendeu a extinção da Justiça Militar nos estados. “Conter homens armados é fundamental para se preservar o Estado Democrático de Direito e a estabilidade do regime político. Os homens que portam as armas da nação têm que ser controlados com rigor para que a paz possa permanecer”, comentou. Para a ministra, a posição de Barbosa foi “rigorosa e não corporativa”.

A nova chefe da corte militar quer que uma das marcas de sua gestão seja a digitalização dos arquivos do STM, que, segundo ela, teve papel importante na defesa da democracia e do Estado de Direito em diferentes momentos da história do país. “Para que os pesquisadores, cientistas políticos e estudiosos em geral possam ver o papel desta corte na defesa dos direitos humanos que muitos desconhecem”.

Segundo Maria Elizabeth, a atuação da corte impediu, por exemplo, que a presidenta Dilma Rousseff fosse condenada duas vezes pelo mesmo crime, durante a ditadura militar.

Parte da documentação do tribunal está no Arquivo Nacional e já se encontra digitalizada. No entanto, os processos a partir de 1977, quando o STM foi transferido do Rio de Janeiro para Brasília ainda precisam ser digitalizados.

Quinze ministros vitalícios compõem o STM: três generais da Marinha, quatro do Exército e três da Aeronáutica, além de cinco civis.

Da Agência Brasil

Foto: Agência O Globo / Givaldo Barbosa/16.07.2013

No primeiro posicionamento sobre aborto desde o início de seu governo, a presidente Dilma Rousseff defendeu a interrupção da gestação por motivos “médicos e legais” e sua realização em todas as unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) com serviço de obstetrícia. Ela abordou o assunto em resposta a questionamento do GLOBO sobre a grande quantidade de mulheres mortas devido a abortos malsucedidos na clandestinidade. O Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, mostra que uma mulher morre a cada dois dias e meio no Brasil após realizar um aborto, quantidade que permanece inalterada desde 1996, conforme registros do SIM.

A presidente sustentou que a lei 12.845, de 1º de agosto de 2013, passou a garantir que o atendimento seja “imediato e obrigatório” em todos os hospitais do SUS. “Para realizar a interrupção legal da gestação, o estabelecimento deve seguir as normas técnicas de atenção humanizada ao abortamento do Ministério da Saúde e a legislação vigente. O gestor de saúde municipal ou estadual é o responsável por garantir e organizar o atendimento profissional para realizar o procedimento”, afirmou Dilma ao GLOBO.

A lei citada foi sancionada pela presidente para assegurar atendimento médico a mulheres vítimas de violência sexual. Causou polêmica junto às bancadas evangélica e católica no Congresso por prever a “profilaxia da gravidez” — a mais comum é a pílula do dia seguinte — e o fornecimento de informações sobre a possibilidade legal de aborto em caso de estupros. Segundo essas bancadas, Dilma estimulava o aborto ao sancionar a lei sem vetos. Grupos religiosos protestaram em frente ao Palácio do Planalto contra a sanção da lei.

A última ofensiva religiosa contra o governo visou a portaria do Ministério da Saúde que definia os valores dos atendimentos de aborto na rede pública — a tabela do SUS passaria a trazer o montante de R$ 443,40 por procedimento e só se referia aos casos aceitos pela legislação: estupro, risco de vida à mulher e gestação de anencéfalo. Após forte pressão de parlamentares evangélicos, em especial do líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), o ministério revogou a portaria, no último dia 28. A explicação oficial é que a revogação ocorreu por “questões técnicas”. A posição da presidente, agora, é uma defesa de que esses casos sejam atendidos em qualquer hospital da rede pública.

A resposta foi enviada ao GLOBO pela Secretaria de Imprensa da Presidência, que ressaltou que esse posicionmento é de Dilma como presidente da República, e não como pré-candidata à reeleição. Dilma afirmou que houve redução de mortes de mulheres por conta de abortos malsucedidos e atribuiu essa queda à “ampliação da rede de serviços à saúde integral da mulher, incluindo o tratamento às vítimas de violência”.

Leia o restante »

Top 10 - Arte Época

Top 10 – Arte Época

A revista americana Forbes divulgou nesta quarta-feira (28/05) a lista de 100 Mulheres Mais Poderosas do Mundo. A presidente Dilma Rousseff aparece na quarta colocação, duas posições abaixo em relação ao ranking de 2013 – quando foi a 2ª colocada. A Forbes descreve Dilma como “uma das chefes de estado mais poderosas do mundo, que comanda a 7ª maior economia mundial”.

A revista destaca ainda que a presidente brasileira fez duras críticas aos Estados Unidos em relação aos escândalos de espionagem durante a última Assembleia Geral da ONU e cancelou a visita aos EUA após ser revelado que a Agência de Segurança do país interceptava os seus emails.

Na lista de 2014, a chanceler alemã Angela Merkel manteve-se no topo, apresentada como a mulher mais poderosa do mundo. Mas quem ganhou destaque mesmo da revista foi Janet Yellen, que assumiu recentemente a presidência do Federal Reserve, o Banco Central americano. Ela ocupa a 2ª posição na lista. “Colegas elogiam sua capacidade de explicar ideias complexas com palavras simples”, afirma a revista. É a primeira representante do FED a figurar nesse ranking e um dos 18 novos rostos da lista.

Em relação ao ranking do ano passado, a presidente da Graça Foster subiu três posições e ocupa o 16º lugar. Outra brasileira na lista é Gisele Bündchen, apresentada como “celebridade”. Ela está na 89ª colocação.

Entre as executivas, destacam-se na lista Sheryl Sandberg, COO do Facebook (9ª); Marissa Meyer, CEO do Yahoo (18º), Mary Barra, nova CEO da GM (7º) e Virginia Rometty, CEO da IBM (10º). Destaque também para a rainha Elizabeth, que ocupa a 35ª posição.

Da Época 

Filme do diretor João Jardim consegue trazer 1954 para 2014

Getúlio. 2013. Brasil. Direção: João Jardim. Elenco: Tony Ramos, Alexandre Borges, Drica Moraes.

Getúlio. 2013. Brasil.
Direção: João Jardim. Elenco: Tony Ramos, Alexandre Borges, Drica Moraes.

 Uma das mais emblemáticas passagens da História do Brasil foi transformada em filme. Filmaço. Getúlio (Brasil – 2013) lança olhar cinematográfico sobre os últimos dias de Getúlio Vargas, presidente do Brasil por quase duas décadas. Quase um documentário, o filme do diretor João Jardim tem qualidades para adentrar pelos gêneros suspense e drama, com viés político inteligente. E cumpre essa missão com êxito. Ao invés de maçante cinebiografia do ex-presidente, o roteiro estreita o foco nos dias que antecederam o fim da Era Vargas. Mesmo sendo obra ficcional ambientada há sessenta anos, Getúlio consegue ser atual. Revela minúcias do ambiente político no entorno da presidência da República. Os membros do gabinete presidencial, particularizando familiares, ministros e assessores próximos do poder, a oposição e o posicionamento da mídia são apresentados quase em estilo de cinema-verdade. Desde então, pouco ou nada mudou.

Traídos pela disfunção egóica 

O filme trata do embate entre duas personalidades fortes, Getúlio Vargas e Carlos Lacerda, representantes de interesses políticos antagônicos e donos de egos hipertrofiados. A disfunção psíquica em ambiente hostil faria um e outro cair em ciladas preparadas pelos inimigos. E pela traição dos amigos. Getúlio sucumbiria em 1954, abatido pelo fogo da mídia a serviço de oligarquias incomodadas pelas políticas que colocou em prática em favor dos mais pobres. Lacerda cairia quatorze anos depois — dezembro de 1968, em seguida à decretação do AI 5 — traído pelos amigos que ajudou a encastelar no poder com o advento do regime militar iniciado em 1964.

Getúlio 

Getúlio inaugurou a era dos presidentes carismáticos. Sabia se comunicar muito bem pelo rádio. Também era dono da rara habilidade de ganhar a confiança das multidões. Nos contatos diretos com o povo, deixou registrada marca de aceno contínuo, com a mão direita indo e voltando à testa. Instintivo, agregou à sua reputação a imagem de “pai dos pobres” ao materializar benefícios até hoje em vigor para as classes trabalhadoras, como a CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, salário mínimo, férias proporcionais. Também soube flertar com a grande classe média, se aproximando da Igreja Católica. Em sua gestão, foi construído o Cristo Redentor. E ainda estabeleceu conexões pragmáticas com certa parte das elites nacionalistas, ao criar a Companhia Siderúrgica Nacional – CSN e liderar a campanha “O Petróleo É Nosso” e posterior fundação da Petrobrás.  Contra ele, pesou a criação do famigerado DIP – Departamento de Imprensa e Propaganda, eufemismo para instituir a censura à imprensa, no período em que foi ditador (1930/45). Outro lamentável episódio ligado ao seu governo foi a entrega de Olga Benário Prestes aos nazistas alemães, fato que resultaria na execução dela em câmera de gás de campo de concentração. Em 1951, voltou ao cargo de presidente da República, eleito pelo voto direto, em 30 de outubro do ano anterior.

Lacerda 

Carlos Lacerda oscilou da esquerda para a direita em espaço de tempo relativamente curto para travessia ideológica daquele porte. No biênio 32/34, foi comunista. Em 1948, guinada radical. Converteu-se ao catolicismo sob o papado conservador de Pio Doze. A nova postura incluiu intenso combate ao getulismo, com sucessivos discursos contra um governo que “chafurdava na lama da corrupção e planejava golpe que iria abortar as eleições presidenciais marcadas para 1955″. Perspicaz, entendeu a importância do novo veículo de comunicação, a televisão. Assistindo ao apresentador Fulton J. Shelton nos Estados Unidos, aprimorou técnicas que o ajudaram a dominar por completo o nova mídia. Em seus pronunciamentos televisivos, quase sempre se valia de um quadro-negro, a fim de destacar os pontos importantes de suas falas. Era o precursor do atual power point. Atraiu simpatizantes na classe média civil e militar, especialmente a abnegação de dez majores da Aeronáutica, um deles Rubens Florentino Vaz.

Intrigas de 1954 repaginadas para 2014 

O filme começa justamente com o assassinato do major Vaz, na rua Toneleros, em Copacabana. Na verdade, os autores do crime, ligados a Gregório Fortunato, líder da guarda pessoal de Getúlio, visavam Lacerda. O episódio daria início a uma série de erros do governo, que não estava preparado para agir com rapidez e eficiência. Os bastidores do Palácio do Catete, residência oficial de Getúlio, eram habitados por ministros e assessores que se caracterizavam ou pela incompetência ou pela explícita falta de lealdade ao presidente. Não ocorreu a ninguém ir aos subúrbios ou mesmo viajar aos Estados, a fim de conferir a excepcional popularidade que o presidente tinha, sobretudo junto às classes mais carentes. Naquele tempo, não estavam à disposição dos governantes as pesquisas de opinião. No final do filme, a exibição de imagens de arquivo da época demonstra o quanto Getúlio era querido e aprovado. Sagaz, Lacerda entendeu a vulnerabilidade predominante no núcleo do poder central e soube transformar mera fagulha em incêndio de grandes proporções. Com a mídia escancarada em seu favor, conseguiu construir cortina de fumaça entre o presidente e a realidade. De Getúlio, tirou a vontade de lutar. Sem ela, o presidente foi desmoronando, charuto em charuto, no rumo da carta-testamento.

Tony Ramos, Drica Moraes e Alexandre Borges em magníficas performances, sob a direção de João Jardim, com fotografia de Walter Carvalho 

O êxito de Getúlio pode e deve ser atribuído, em primeiro lugar, ao diretor João Jardim, que atuou como eficiente juiz em partida de futebol decisiva: deixou o jogo rolar de forma imparcial. Estudou, nos maiores e nos menores detalhes, as características de Getúlio Vargas e de Carlos Lacerda e soube passar orientações cirurgicamente precisas a Tony Ramos (Getúlio) e Alexandre Borges (Lacerda). Experientes, um e outro conseguiram materializar personagens muito próximos do que devem ter sido na realidade os próprios Getúlio e Lacerda. Drica Moraes, como Alzira Vargas, filha queridíssima do presidente, viveu talvez a melhor performance de sua carreira. Completando o círculo virtuoso, Walter Carvalho, um dos melhores diretores de fotografia do cinema brasileiro em todos os tempos, conseguiu a luz certa para cada sequência, valorizando outro atributo do filme: a linguagem imagética.

“Um filme que vale para todas as épocas” 

Segundo Tony Ramos, a sua filha, que é advogada, quando viu o filme, lhe segredou: “É um filme que propõe reflexão não só para aquela época. Vale para todas as épocas”.

Escrito por J. Jardelino

Ig
outubro 2014
D S T Q Q S S
« set    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
Curta!
Mulheresnopoder