"Ajudando as mulheres a liderar, vencer, governar." ✫Desde 2009✫

Arquivos para a ‘Esporte e Saúde’ Categoria

Arte RatoFX

Arte RatoFX

Caminhar meia hora por dia já ajuda na diminuição do risco da doença

As mulheres que praticam pelo menos 30 minutos por dia de caminhada têm 10% menos de chance de desenvolver câncer de mama, revelou um estudo publicado no jornal da Associação Americana de Pesquisa do Câncer. Os cientistas monitoraram mulheres que já haviam passado pela menopausa.

— Nós descobrimos que a atividade física de lazer, mesmo de modesta intensidade, parecia ter um impacto rápido sobre o risco de câncer de mama. As mulheres devem ser encorajadas a continuar o exercício físico. E aquelas que não se exercitam deveriam iniciar, porque o seu risco de câncer de mama pode diminuir rapidamente — explica o pesquisador Agnes Fournier.

Fournier e colegas analisaram dados obtidos a partir de questionários preenchidos por quase 60 mil mulheres pós-menopáusicas. O tempo médio de acompanhamento foi de 8,5 anos — durante os quais 2 mil mulheres foram diagnosticadas com câncer de mama invasivo.

Os efeitos de redução de risco de câncer de mama por causa da atividade física eram independentes do índice de massa corporal, ganho de peso, circunferência da cintura e do nível de atividade de cinco a nove anos antes.

Do  ZH – ClicRBS

Corra!

A ASICS fará uma Meia Maratona só para as mulheres e esta novidade será no dia 07 de Setembro de 2014 em São Paulo.

A W21K ASICS, que será a primeira Meia Maratona exclusivamente feminina da América Latina, já está com as inscrições abertas. Faça AQUI a sua.

O aumento no número de mulheres participantes na distância de 21km nos últimos anos motivaram a ASICS apoiar este tipo de prova. Segundo Giovani Decker, presidente da Ascis Brasil, “a prova terá tudo o que público feminino procura para fazer 21k, infraestrutura e atenção nos detalhes”.

Com uma estrutura completa, contemplando banheiros no percurso e postos de hidratação a cada 2km, isotônico a cada 4km e equipe médica, a proposta é proporcionar com total conforto a experiência de conquistar os 21K.

Detalhes:

Quando: 07 de Setembro de 2014.

Largada e chegada: USP

Horário: 07:00 horas

Foto Divulgação

Camila Mingori, que mora em São Paulo, vai participar de prova de 150 km após desfilar em evento da Copa no Rio

A modelo brasileira Camila Mingori, que vive em São Paulo, participou com um time de tops do desfile da Cia. Marítima no Budweiser Hotel by Pestana, em Copacabana, no Rio de Janeiro, na última sexta-feira (11). Mas a agenda da modelo não tem espaço só para desfiles. Camila viaja para a França nesta terça-feira (15) para participar do Tour de France, competição anual de ciclismo realizada na França.

No dia 22, Camila vai percorrer uma prova de 150 km, que pretende realizar em cinco horas. Para tanto, a modelo treina todos os dias e faz Functional Figth, além de pedalar 60 km quatro vezes por semana. Camila tem 1,80 m de altura e apenas 14% de gordura no corpo.

Camila no desfile da Cia. Marítima no Rio, na última semana

Na mesma competição em 2013, a modelo já fez um percurso de 128 km em oito horas.

Do Terra

Marta é a grande destaque do Tyresö, da Suécia Foto: Getty Images

Apesar de não ter sido eleita a melhor jogadora do mundo em 2013, Marta não perdeu seu reinado. O nome dela foi um dos mais comentados nesta quarta-feira, véspera de final da Liga dos Campeões feminina. Os adversários mostraram temor a ela, porém ainda especula-se que a atacante do Tyresö não terá condições físicas de atuar contra o Wolfsburg.

Não havia qualquer dúvida sobre Marta até esta quarta-feira, quando um site sueco, SVT Sport, publicou uma entrevista com a brasileira. Ela não deixou claro qual é a gravidade da lesão. Sabe-se apenas que são dores na coxa.

“Eu quero está saudável e junto com a equipe, como de costume. Espero que seja possível jogar, mas não sei. Lesões acontecem no futebol. Só espero que o dano não seja tão grave e não me tire do jogo”, afirmou Marta.

A possibilidade de corte da brasileira aumentou no final desta tarde. Era sabido que o treinador do Tyresö, Tony Gustavsson, daria entrevista coletiva ao lado de duas jogadoras. Os nomes não foram divulgados, mas era esperado que Marta aparecesse, por ser o principal destaque da equipe. Em vez disso, porém, a defensora Linda Sembrant e a capitã Caroline Seger foram para a sala de imprensa.

Durante a entrevista, o treinador comentou sobre Marta, mas não deu qualquer pista sobre a lesão dela. “É comum falar que Marta tem uma velocidade e uma técnica única. Mas é preciso falar que ela continua a tentar melhorar, continua a se divertir e divide sua alegria com o grupo. Para um treinador é um privilégio trabalhar com uma jogadora e com uma pessoa como a Marta”, derreteu-se o sueco.

O assunto Marta também apareceu do outro lado, na entrevista coletiva do Wolfsburg, mas com o outro teor. As jogadoras do time alemão e o treinador pregaram respeito ao falar sobre a brasileira.

“É preciso parar a Marta, mas só conseguiremos fazer isso de uma forma coletiva”, pediu o técnico Ralf Kellerman, reforçado pela zagueira Nilla Fischer: “já enfrentei ela antes e sempre vejo vídeos dos adversários. É uma grande jogadora, então ficaremos todas de olho nela”.

A final entre Tyresö e Wolfsburg acontecerá na tarde desta quinta-feira, às 15h30 (de Brasília). O jogo acontecerá em Lisboa, na mesma cidade em que será a decisão da Liga dos Campeões masculina, no sábado.

Do Terra

Faça sua doação!

Criada em 2010 por três irmãs, uma delas com câncer, a Fundação Laço Rosa – instituição sem fins lucrativos sediada no Rio de Janeiro – vem transformando a vida de centenas de mulheres, por meio de um serviço providencial: o Banco de Perucas Online. O projeto de doação gratuita de perucas pela internet para pacientes em quimioterapia já atendeu 700 mulheres em todo o País, com idades entre 17 anos e 68 anos. Até o final de 2014, a meta é chegar a 1.000 pacientes. O Laço Rosa, que inspirou o nome, é o símbolo internacional da luta contra o câncer de mama no mundo.

“Temos, em média, 30 novos pedidos de perucas por mês. Atendemos qualquer mulher na faixa etária de 16 anos a 95 anos, com qualquer tipo de câncer, principalmente, o de mama. Os dois Estados que mais pedem perucas são Rio de Janeiro e São Paulo, seguidos de Minas Gerais”, diz Marcelle Medeiros, presidente da ONG.

A ideia é resgatar autoestima das mulheres, visto que a peruca pode custar entre R$ 250,00 a R$ 4000,00 e nem todas podem pagar. Os cabelos para doação precisam estar secos, medir a partir de 20 cm, estarem amarrados com elástico na hora do corte e devem separar a ponta da raiz. A ONG conta ainda com um visagista, profissional que indica que tipo de corte, cor e modelo mais adequado à paciente.

“O afeto recebido fortalece a pessoa na hora do tratamento. As pessoas, quando fazem doação de perucas, cabelos, materiais ou financeira, gostam de escrever um bilhetinho e dizer o porquê estão fazendo isso”, explica Marcelle.

“Tenho o câncer de mama e a peruca melhorou bastante minha autoestima. Comecei a me arrumar mais, me maquiar também, isso foi fundamental para eu ter mais vontade de sair de casa. As pessoas olham apenas para nossa condição física, mas ninguém pensa como é importante o nosso psicológico”, diz a fluminense de Itaboraí, Manuela Nygaard, 30 anos, criadora do blog Era Uma Vez Um Câncer e usuária do Banco de Perucas Online.

Como tudo começou

A inspiração para a criação da instituição começou ainda em 2007, quando a carioca Aline Lopes, com 33 anos e grávida do primeiro filho, descobria e iniciava a sua batalha contra um câncer de mama. Ela então desenhou o projeto da Fundação Laço Rosa com as irmãs Andrea Ferreira e Marcelle Medeiros, concretizado em outubro de 2010. Aline se foi um mês depois.

“O espírito alegre dela, a gente carrega e tenta manter vivo na instituição. É um dos principais legados que a gente quer deixar: a positividade o alto astral, apesar das circunstâncias e da dificuldade da doença”, finaliza Marcelle.

Do Terra

Helena Costa – Reprodução

Helena Costa assumirá o cargo de treinadora do Clermont, clube da segunda divisão francesa, a partir da próxima temporada. Ela substituirá Régis Brouard, que deixará o time, 14º colocado na Ligue 2. Será a primeira mulher a ocupar o cargo de treinadora principal de um time de futebol profissional na França. Ao mesmo tempo em que a notícia é triste, por pensarmos que em pleno 2014 a presença de mulheres nos cargos de futebol ainda é uma raridade, ela é também animadora. Afinal, se isso já deveria ter acontecido antes, ao menos alguém resolveu dar o primeiro passo.

Um zagueiro do Clermont, Anthony Lippini, deu uma declaração que mostra bem o espírito que a contratação pioneira da técnica Helena Costa deve ser encarado. “Eu estava falando com meu fisioterapeuta sobre a vez em que a primeira mulher entrou no exército, um ambiente muito machista. No começo, houve um pouco de choque. Mas agora, a presença de mulheres no exército se tornou normal. Deve acontecer o mesmo no futebol”, afirmou o jogador ao jornal L’Équipe.

“Eu mal posso esperar para voltar na próxima temporada e fazer parte disso. Eu estou realmente curioso. Será uma experiência única ser o primeiro time profissional a ser dirigido por uma mulher na França. É bom, cria repercussão”, disse ainda o jogador. No comunicado que anunciou Helena Costa como técnica, o clube disse que a escolha da treinadora “deve ajudar o clube a entrar em uma nova era”.

A portuguesa de 36 anos tem muita experiência com futebol. Começou a carreira no Benfica, onde ocupou vários cargos até começar a dirigir o time feminino. Depois, tornou-se olheira do Celtic em Portugal e na Espanha entre 2008 e 2011. O clube escocês, aliás, divulgou um comunicado parabenizando a sua ex-funcionária pelo novo cargo que ocupará.

“Nós gostaríamos de parabenizar Helena sinceramente por assumir esse novo cargo”, afirmou um representante do Celtic ao jornal Guardian. “Ele fez um excelente trabalho para nós e sabemos que ela dará, nesse novo cargo, o mesmo nível de comprometimento e dedicação que ela deu ao Celtic”.

Não será a primeira vez que Helena comandará um time masculino. Ela treinou o Cheleirense, time que disputa divisões inferiores de Portugal e pelo qual venceu o campeonato regional de Lisboa em 2006. Ela também comandou times femininos no país, como a Sociedade União, clube pelo qual foi campeã portuguesa e levou a equipe à Liga dos Campeões feminina em 2008, e o Odivelas, levando o clube para a primeira divisão portuguesa feminina.

No comando do Catar, Helena conseguiu dar à seleção a sua primeira vitória, 4 a 1 sobre as Ilhas Maldivas em 2012. No Irã, último cargo que ocupava, não conseguiu classificar o time para a Copa do Mundo feminina. Na fase de classificação para a Copa Asiática, que serve como Eliminatórias para a Copa, o time ficou em terceiro no Grupo B, atrás da Tailândia e Filipinas, ficando à frente apenas de Bangladesh. Em três jogos, o time venceu uma e perdeu duas. Mesmo assim, ela só deixou o cargo porque um familiar adoeceu e ela teve que voltar a Portugal.

Em entrevista ao jornal português Record, a treinadora falou sobre a sua paixão de futebol. “É mais do que uma paixão, é um vício”, ela disse. Ela revelava ter convites para treinar a Líbia e as Ilhas Maldivas, mas que preferia continuar como olheira do Celtic nesse tempo, se dedicar à família e esperar por uma oportunidade melhor.

Antes de Helena Costa, a última mulher que tinha ocupado o cargo de treinadora em um dos países mais importantes do futebol europeu tinha sido Carolina Morace, que assumiu o Viterbese, da terceira divisão italiana, por dois jogos em 1999. Helena Costa será apresentada à imprensa logo após o final da temporada.

Que seja só a primeira e que logo nós não tenhamos nem mais motivos para falar sobre uma mulher assumindo o comando de um time de futebol. Ainda há um longo caminho pela frente.

Do Trivela

Arte RatoFX

Arte RatoFX

O mastologista Ruffo de Freitas Júnior diz que o ideal é que as mulheres mantenham o índice de massa corporal abaixo de 25

Um estudo publicado recentemente no jornal “Cancer Epidemiology, Biomakers & Prevention” aponta que uma hora de exercício físico por dia diminui o risco de câncer de mama em até 14%, em comparação com mulheres que caminham menos de três horas por semana. A informação foi divulgada pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) para celebrar o Dia Mundial de luta contra o câncer, comemorado nesta terça-feira (8/4).

“A incidência do câncer está ligada ao sedentarismo. Exercício físico e perda de peso são fundamentais para a saúde da mulher”, esclarece Ruffo de Freitas Júnior, presidente da SBM. Ele também lembra que mudanças na dieta para reduzir o colesterol ajudam na prevenção de células cancerígenas.

O mastologista diz que o ideal é que as mulheres mantenham o índice de massa corporal abaixo de 25, pois quanto maior o peso e a idade, maiores as chances da mulher de desenvolver câncer de mama, principalmente no período após a menopausa. Isso porque um dos principais hormônios produzidos pelo tecido gorduroso é o estrógeno, que serve como ‘combustível’ para as células cancerígenas, explica ele.

Do Correio Braziliense

Acompanhada do ministro do Esporte, presidente se encontra com cruzeirense e juiz Márcio Chagas, que sofreram discriminação em estádios recentemente

Presidente Dilma Roussef posa entre Márcio Chagas Filho e o cruzeirense Tinga (Foto: Divulgação Planalto.gov.br)

A presidente Dilma Rousseff recebeu nesta quinta-feira, no Palácio do Planalto, em Brasília, o volante Tinga, do Cruzeiro, e o árbitro gaúcho Márcio Chagas da Silva, que foram vítimas recentemente de ofensas racistas em estádios de futebol. O encontro foi solicitado pela própria presidente, que queria demonstrar pessoalmente sua solidariedade aos dois. Dilma aproveitou para reforçar também o objetivo do governo de usar a Copa do Mundo para combater o racismo no país.

- Foi um encontro interessante. A presidente se preocupou com as situações que ocorreram no último mês, e tive a oportunidade de falar sobre outras coisas que também acontecem no nosso país em termos de preconceito, seja com religião, opção sexual, forma física, entre outros – relatou Tinga após o encontro.

- Ela (Dilma) se mostrou solidária pelos fatos que aconteceram comigo, com o Tinga, com o Arouca, e tantas outras pessoas que sofrem preconceito no seu dia a dia. É importante encamparmos algo que faça com que a população comece a se dar conta do que está acontecendo e agir de forma que isso seja minimizado. Não podemos ter a utopia de que vai acabar, mas podemos conseguir minimizar com mobilização, mostrando o que acontece, e não mascarando como vinha sendo feito – completou Márcio Chagas.

Além do jogador e do árbitro, também participaram da reunião o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, a ministra Luiza Bairros, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), e o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República. Durante o encontro, a presidente recebeu de Tinga um livro e uma camisa do Cruzeiro. Atleticana, Dilma brincou com os presentes.

- O povo do Atlético vai me matar – disse a presidente sorrindo.

O volante Tinga foi hostilizado por torcedores do Real Garcilaso, do Peru, durante partida do Cruzeiro pela Libertadores, no dia 12 de fevereiro. Na ocasião, torcedores do time peruano ficaram imitando sons de macaco a cada toque do volante cruzeirense na bola.

Já o árbitro Márcio Chagas da Silva encontrou bananas no seu carro após partida entre Esportivo e Veranópolis, pelo Campeonato Gaúcho, no dia 6 de março (acompanhe agora o julgamento do Esportivo, denunciado por racismo, em Tempo Real).

Outro caso de racismo no Brasil também foi registrado recentemente. O volante Arouca, do Santos, foi chamado de macaco por torcedores no momento em que concedia entrevista após a vitória por 5 a 2, sobre o Mogi Mirim, pelo Campeonato Paulista, no dia 7 de março.

- Na minha opinião, no nosso país temos todo o tipo de preconceito. Também manifestei isso e falei para a presidente que acredito que somente através da educação é possível resolver. A educação é o que nos faz pensar nos outros – disse Tinga.

Leia o restante »

Susie Wollf, pilota de desenvolvimento da Williams (Foto: Divulgação)

Pilota de desenvolvimento da Williams guiará o FW36 em dois treinos livres durante 2014. Chefe adjunta, no entanto, não tem planos para inglesa virar titular futuramente

No início desse mês, a Sauber anunciou Simona de Silvestro como pilota afiliada. Trata-se de um programa de preparação, com testes de pista, simuladores, preparação física e psicológica para que a suíça de 25 anos adquira a superlicença e se torne pilota titular em 2015. Nesta segunda-feira, a Williams confirmou a permanência de outra presença feminina na F-1: Susie Wolff, de 31 anos, continua no papel de pilota de desenvolvimento. Neste ano, porém, o contrato de Susie prevê um avanço: a oportunidade de guiar, ao longo do ano, o FW36 em dois treinos livres das sextas-feiras, em GPs ainda não definidos. Isso fará da britânica a primeira mulher a participar de um fim de semana de GP desde a italiana Giovanna Amati, que em 1992 disputou treinos classificatórios em três ocasiões tentando, sem sucesso, classificar-se para corridas. No entanto, Claire Williams, chefe adjunta da equipe, explicou que, apesar do desejo da pilota de 31 anos em se tornar titular algum dia, não há planos para que a britânica assuma esse posto futuramente no time dos brasileiros Felipe Massa e Felipe Nasr.

- Susie tem trabalhado como pilota de desenvolvimento para o time, o que é um trabalho muito importante em razão de a Fórmula 1 ser uma corrida de desenvolvimento. Ela trabalha com nossos engenheiros na fábrica para ajudar no desenvolvimento do carro. Mas temos pilotos titulares e reservas e Susie tem um papel de valor e está exercendo bem esse papel no momento – explicou.

Do Globo Esportes

Seleção Feminina de Futebol

A Seleção Brasileira estreou nesta quinta-feira (12) no Torneio Internacional de Brasília com vitória sobre o Chile. O placar foi de 2 a 0, no Estádio Nacional Mané Garrincha, com gols de Marta e Thaisa.

Apesar de não ter perdido em nenhuma estreia nas cinco edições do Torneio, há sempre o nervosismo e a ansiedade. Mas nada que atrapalhasse a Seleção dentro de campo.

Quando a bola rolou, as jogadoras foram muito disciplinadas e fizeram exatamente o que o treinador Márcio Oliveira e sua comissão técnica pediram: iniciar a partida pressionando a saída de bola.

Foram necessárias quatro tentativas em menos de 20 minutos para o Brasil abrir o placar com Marta. Rosana deu um belíssimo passe, a camisa 10 deixou a goleira Endler no chão e marcou o primeiro.

A Seleção não estava satisfeita: queria mais e por isso continuou pressionando a saída de bola e chegando com frequência ao gol adversário.

Thaisa fez seu primeiro gol com a camisa canarinho. Cristiane, muito bem marcada, encontrou Thaisa livre. A volante ficou cara a cara com a goleira chilena e bateu cruzado: 2 a 0 Brasil.

Na primeira etapa, o Chile não chutou sequer uma vez contra o gol de Luciana.

Marta teve chance de aumentar o marcador em cobrança de falta, mas a goleira Endler fez uma belíssima defesa.

O primeiro chute das chilenas não ameaçou a goleira Luciana, em cobrança de falta – a bola passou muito longe do gol brasileiro.

Andressa entrou no segundo tempo e teve duas oportunidades seguidas, mas a goleira defendeu.

No primeiro jogo do dia, o Canadá derrotou a Escócia por 2 a 0. Brasil e Canadá estão empatados em primeiro lugar no Torneio.

Do CBN Foz

Ig
dezembro 2014
D S T Q Q S S
« nov    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Curta!
Mulheresnopoder