"Ajudando as mulheres a liderar, vencer, governar." ✫Desde 2009✫

Arquivos para a ‘Economia’ Categoria

Marco Civil da Internet

A presidenta Dilma Rousseff defendeu hoje (23) um modelo de governança global da internet que seja “multissetorial, multilateral, democrático e transparente”. Ela participou da abertura do NetMundial, encontro que ocorre até amanhã (24) em São Paulo e conta com participação de 80 países para discutir princípios de governança da internet e a proposta de um roteiro para a evolução do sistema. “A participação dos governos deve ocorrer em pé de igualdade sem que um país tenha mais peso”, declarou.

Dilma relembrou que a necessidade de promover um encontro como este surgiu, especialmente, a partir das denúncias de espionagem digital pelo governo dos Estados Unidos. “No Brasil, cidadãos, empresas, representações diplomáticas tiveram suas comunicações interceptadas. Estes fatos são inaceitáveis. Atentam contra a própria natureza da internet – aberta, plural e livre”, apontou. Esse fato fez com que o Brasil apresentasse uma proposta de estabelecimento de um marco civil global para a internet na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

A presidenta fez a defesa de que “os direitos que as pessoas em off line devem ser protegidos on line”, a exemplo do direito à privacidade. “Esta reunião é uma resposta a um anseio global por mudanças nas legislações vigentes e pelo fortalecimento sistemática da liberdade de expressão na internet e da proteção à direitos humanos básicos”, declarou. O encontro discutir e propor princípios de um modelo de governança a partir de 188 contribuições enviados por diferentes setores, como privado, acadêmico, sociedade civil, de 46 países.

O secretário-geral das Nações Unidas para temas econômicos e sociais, Wu Hongbo, destacou que a internet é essencial para disseminar informações e a governança, portanto, deve preservar essa característica. “Cada vez mais temos pessoas que podem fazer sua voz ser ouvida e podem participar da sociedade. Por isso é essencial que a governança da internet continue a estimular a liberdade de expressão e o fluxo livre das informações”, declarou. Ele lembrou que um terço das pessoas atualmente tem acesso à internet no mundo e, embora seja um número relevante, ainda é necessário ampliar a democratização da rede, especialmente nos países em desenvolvimento.

A representante da sociedade civil, a nigeriana Nnenna Nwakanna, que também participou da abertura da conferência, destacou que a internet está sendo cada vez mais um meio para acumulação de riqueza. “O direito ao desenvolvimento deve incluir a justiça social. Eu quero um mecanismo que inclua as pessoas e seja um meio de inovação para que a mente humana floresça”, defendeu. Também participaram representantes do setor privado, o vice-presidente da empresa Google, Vint Cerf; e técnico, o físico Tim Berners-Lee, criador da World Wide Web.

Da EBC

PYXIS

PYXIS

É sabido que as pessoas costumam “descontar” suas emoções de alguma forma e inúmeros estudos comprovam isso.

Dentro da Economia, existem algumas áreas voltadas à questão das Finanças Comportamentais: Psicologia Financeira, Economia Experimental e Psicologia Econômica. Elas estudam o comportamento e as alterações neurológicas das pessoas perante o dinheiro, conforme algumas situações.

Impulsividade, medos, raiva, dúvidas, compensações, gratificações, segurança ou insegurança, tentações, competividade, baixa autoestima ou autoestima elevada demais, desejos, frustrações, falta de confiança ou excesso de confiança, vaidade, ganância, traumas, valores e crenças, vivências, tabus, mitos, emoções, pressão, stress, cansaço.

Todos esses fatores isolados ou em conjunto influenciam a forma como você lida com o dinheiro.

Lembre-se: sua vida financeira é parte de você, assim como a sua vida familiar ou profissional.

Estando em equilíbrio, tudo vai bem, mas estando com algum desequilíbrio em sua vida, acione o alarme e pare para avaliar a situação, enquanto você consegue enxergar a realidade e pode tomar atitudes para encontrar soluções.

Por exemplo: você briga com o marido, fica com raiva e por impulso vai ao shopping. Lá, você sente-se frustrada pela situação e na intenção de se compensar, entra numa loja e compra 5 pares de sapato… Já deve ter visto isso acontecer por aí, não?

Coloque-se nesta cena e pense como você identificaria os pontos em que poderia intervir para não “agredir” o seu dinheiro, em função do real problema.

$uce$$o!!

Elaine Mello

Elaine Mello

 

Por Elaine Mello, da PYXIS_Academia de Investimentos

 

Exportação brasileira de veículos caiu 32,7% no primeiro trimestre deste ano

Brasileiros querem destravar o impasse no fluxo comercial com o país vizinho Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

Diante de uma crise de exportações de automóveis para a Argentina, representantes do setor automotivo brasileiros se encontraram com a presidente Dilma Rousseff a fim de destravar o impasse no fluxo comercial com o país vizinho. A exportação brasileira de veículos caiu 32,7% no primeiro trimestre deste ano, após a restrição de importações pela Argentina, principal parceiro comercial no setor e responsável por receber 75% do total dos automóveis que saem do Brasil montados.

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, Dilma determinou que o ministro Mauro Borges (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) e o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Caffarelli, entre em contato com as autoridades argentinas sobre o tema.

“Ela determinou que o ministro Mauro Borges e o ministro Taffarelli rapidamente tenham uma conversa com o governo argentino no sentido de destravar esse mercado e voltar o fluxo de comércio e o que os dois ministros colocaram é que já na próxima semana estarão na Argentina reiniciando a negociação”, afirmou Moan.

A crise no país vizinho, que era minimizada até fevereiro, acendeu um alerta vermelho para as fabricantes nacionais e já mobilizou o governo. Um memorando de entendimento para destravar o comércio bilateral foi assinado no dia 28 e as conversas para concretizar o plano acontecem em até 10 dias.

Em março foram exportados apenas 23 mil carros – quase a metade do número registrado no mesmo mês de 2013. A baixa apenas agrava um balanço ruim para as montadoras no início deste ano, com queda de 2,1% nos licenciamentos e de 8,4% na produção, na comparação com os primeiros três meses do ano passado. Segundo dados da Anfavea, foi o pior trimestre de produção desde 2010. Mesmo assim, os estoques cresceram para 387 mil unidades, o que equivale a 48 dias de vendas, ante 37 dias em fevereiro. O nível de estoque se aproxima dos meses logo após o estouro da crise global de 2008, quando chegou a 56 dias com a intensa restrição de crédito por parte dos bancos.

Apesar da má fase do setor, o presidente da Anfavea nega que o setor estude corte de pessoal ou que os veículos podem ficar mais caros por causa do aumento de custo sofrido pelo setor.

“Nesse momento, o que nós estamos buscando é aumento de produção, então nós falamos nessa questão da Argentina o grande beneficiário será o sistema de produção. Com o volume de produção retornado, não há por que se falar em redução do emprego”, disse Luiz Moan. “O nosso pessoal qualificado e treinado é um grande investimento que nós fizemos e o tanto quanto possível, nós vamos preservá-lo.”

Do Terra

TO DO

TO DO LIST

Começo de ano é o momento ideal para montar e colocar seu planejamento financeiro em andamento, o que permitirá que você cumpra de forma organizada seus objetivos, sem passar por contratempos.

Esse é um processo, que para ser bem elaborado e praticado, pede um perfil de comportamento motivado e disciplinado: o cenário perfeito para a realização de seus sonhos a curto, médio e longo prazos.

Então vamos aos passos:

1) Observação

Aqui você lança uma visão aérea sobre a sua situação financeira, sem receios e resistências, e tem a dimensão de como as coisas estão atualmente, podendo compará-las em relação ao seu planejamento.

2) Assimilação

Neste ponto, você percebe realmente o que não está adequado ao contexto e começa a entender que mudanças são necessárias, se quiser realizar seus objetivos. É o famoso “cair a ficha”.

3) Conhecimento

Você deve se perguntar:

- “o que eu sei sobre finanças?”

- “qual o conhecimento necessário para diferenciar como chegar no sucesso financeiro e os porquês do fracasso financeiro”?

4) Objetivos

Chega o momento de rever a viabilidade de seus objetivos e concluir se eles devem ser mantidos, ajustados ou alterados, conforme os recursos possíveis. Quanto custa o seu sonho?

Em quanto tempo pretende realizá-lo?

5) Atitudes

Hora da verdade. O que você precisa fazer efetivamente para promover mudanças e conseguir realizar seus objetivos?

6) Investimentos

Fazer o dinheiro trabalhar para você é fundamental.

Conheça as características e riscos dos investimentos disponíveis, para saber quais se adequam ao perfil de suas necessidades e horizonte de tempo previsto para o seu planejamento.

Então, mãos à obra e $uce$$o!!

Elaine Mello

Elaine Mello

Por Elaine Mello, da PYXIS_Academia de Investimentos

Forbes

Segundo ranking 2014 da Forbes, 31 bilionários têm menos do que 40 anos

Já se imaginou bilionário antes de completar 40 anos? Segundo o ranking 2014 de bilionários da Forbes, 31 pessoas conseguiram entrar para o clube dos mais ricos do mundo antes dessa idade.

A pessoa mais jovem com bilhões no banco é uma mulher de 24 anos. De Hong Kong, Perenna Key, com uma fortuna estimada em US$ 1,3 bilhão, tem uma participação de 85% na Logan Property Holdings, uma companhia com foco em negócios de imóveis residenciais.

Uma diferença de cinco anos separa a mais jovem da lista do segundo mais novo. De acordo com a Forbes, depois de Perenna Key, aparece um dos fundadores do Facebook. Dustin Moskovitz, 29, tem uma fortuna estimada em US$ 6,8 bilhões.

O terceiro mais jovem também está relacionado à rede social mais famosa do mundo. O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, também com 29 anos, é dono da maior fortuna entre os bilionários com menos de 40 anos. A Forbes estima que sua riqueza seja de US$ 28,5 bilhões, o que o põe na 21ª posição no ranking geral, que conta com 1.645 nomes.

Depois de Zuckerberg, a maior fortuna entre os mais jovens é do colombiano Alejandro Santo Domingo Davila. Com 37 anos, ele possui 15% da SABMiller, a segunda maior cervejaria do mundo. Sua fortuna é de US$ 11,1 bilhões.

Entre os 31 bilionários com menos de 40 anos, um é brasileiro. Eduardo Saverin, um dos fundadores do Facebook, tem 31 anos e é o oitavo entre os mais jovens. Sua fortuna é de US$ 4,1 bilhões, segundo a Forbes.

Dos 31 nomes abaixo de 40 anos, 13 são dos Estados Unidos. Para continuar com 31 integrantes no ano que vem, serão necessários cinco novos bilionários, já que cinco nomes estão com 39 anos.

Lista dos bilionários mais jovens

Lista dos bilionários mais jovens

Do Terra

Uso Consciente

Uso Consciente

É verão e temos visto as temperaturas batendo recordes históricos. A chuva tão esperada para refrescar o clima, insiste em ser rara nesses últimos tempos.

E as consequências disso, vemos na mídia: rios em plena estiagem e reservatórios nos níveis mínimos, peixes em grande mortandade, poluição e esgoto se acumulando nos leitos e margens.

Com tudo isso, quem sofre é você e sua família, que ficam sujeitos a racionamentos propostos pelas prefeituras. Estamos falando em economizar num âmbito social e que reflete automaticamente no seu bolso também.

Segundo a ONU, cada pessoa necessita em média de 3,3 m³/mês de água, o que equivale a 110 lt./dia no consumo geral. No Brasil, consumimos mais de 200 lts./dia/pessoa.

Para observarmos isso melhor, vamos a algumas dicas básicas sugeridas pela SABESP, que podem ajudar muito se cada um fizer a sua parte e ainda sem prejudicar a saúde, a higiene pessoal e a limpeza da casa:

- No banho:

ducha: em 15 minutos consome 135 lts./dia; fechando a torneira ao se ensaboar e reduzindo o tempo para 5 minutos, o consumo cai para 45 lts./dia.

chuveiro elétrico: em 15 minutos consome 45 lts./dia; fechando a torneira ao se ensaboar e reduzindo o tempo para 5 minutos, o consumo cai para 15 lts./dia.

- Escovando os dentes:

se levar até 5 minutos com a torneira aberta, o consumo de água pode chegar a 12 lts. Mantendo a torneira fechada e só abrindo ao enxaguar a boca, pode-se reduzir em até 11,5 lts.

- Descarga do vaso sanitário:

cada descarga pode gastar de 10 a 14 lts. Não use o vaso como lixeira ou cinzeiro, acionando a descarga desnecessariamente e ainda podendo causar entupimentos.

cheque sempre se não há vazamentos, o que pode elevar o consumo de água para até 30 lts. por vez.

- Lavando as roupas:

máquina de lavar: procure acumular peças de roupa para fazer menos lavagens; uma máquina com capacidade para 5 kgs. consome 135 lts. de água com a capacidade total.

tanque: durante 15 minutos com a torneira aberta, o consumo pode chegar a 280 lts.

em ambos os casos, aproveite para reutilizar essa água ao lavar o quintal e o chão de outras áreas da casa.

- Na cozinha:

limpe bem todos os resíduos de alimentos dos pratos e panelas com esponja bem úmida e sabão e só então abra a torneira para enxaguá-los. 15 minutos com a torneira aberta direto nessa tarefa, pode consumir até 117 lts. de água.

Elaine Mello

Elaine Mello

 

Por Elaine Mello, da PYXIS_Academia de Investimentos

Marina Silva por Renata Castelo Branco

Marina Silva por Renata Castelo Branco

A cúpula do PSB recebeu a informação de que a ex-senadora Marina Silva já está disposta a anunciar em breve a definição de que será vice na chapa presidencial encabeçada pelo governador Eduardo Campos (PSB-PE).

Nos bastidores, Marina já admite que será candidata a vice, o que vem negando publicamente. Nesta terça em um reunião em São Paulo, ela deixou clara sua disposição para integrantes da Rede.

Há uma pressão interna entre os militantes da Rede para que a definição de vice só seja anunciada depois da definição dos palanques regionais, especialmente em São Paulo. Mas segundo relatos passados ao PSB Marina já estaria convencida de que é preciso anunciar logo a definição.

Do Blog do Camarotti

Segundo a presidente, o governo está priorizando o transporte sobre trilhos porque é um transporte de alta capacidade

Segundo Dilma, são R$ 33 bilhões só do governo federal para construir metrôs em nove cidades brasileiras – Foto Breno Fortes /CB/ D.A Press

A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (10/2) que o governo federal, em parceria com estados e municípios, está investindo R$ 143 bilhões em mobilidade urbana. Segundo a presidente, a prioridade é o transporte sobre trilhos: são R$ 33 bilhões só do governo federal para construir metrôs em nove cidades brasileiras. “Nosso objetivo é ampliar e acelerar as obras, que vão tornar o transporte coletivo mais confortável, rápido e muito mais seguro e com um preço bem acessível”.

No programa semanal Café com a Presidenta, Dilma informou que o investimento contempla mais de 3,5 mil quilômetros em obras de transporte coletivo, que incluem metrôs, trens urbanos, monotrilhos, veículos leves sobre trilhos (VLTs), além dos corredores de ônibus. “Começamos com R$ 93 bilhões e fomos aumentando os recursos em mais de R$ 50 bilhões, a partir do Pacto da Mobilidade Urbana que eu anunciei em junho do ano passado. Vamos diminuir o tempo que as pessoas perdem no trânsito e devolvemos a cada uma delas um tempo precioso de vida.”

Segundo a presidente, o governo está priorizando o transporte sobre trilhos porque é um transporte de alta capacidade. “E, ao mesmo tempo, garante o deslocamento dos passageiros de forma muito mais rápida e segura. Não há interrupção pelo trânsito, por exemplo. É um transporte direto. Quanto maior a cidade ou quanto maior a região metropolitana, mais o transporte sobre trilho é importante.”

Dilma destacou que foram construídos ou estão em implantação em seu governo metrôs em nove cidades brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília, Curitiba, Porto Alegre e Belo Horizonte. “Só para fazer o metrô, o governo federal está colocando R$ 33 bilhões em investimentos. Outros R$ 15,5 bilhões são a contrapartida dos estados e municípios. E, além desses recursos, as empresas privadas também participam dos investimentos.”

A presidente também lembrou que o governo está investindo em VLTs, monotrilhos, trens urbanos e aeromóveis (trens suspensos). “São R$ 14 bilhões para essas obras e, muitas delas, serão integradas aos metrôs. Isso porque integração é a palavra-chave do modelo de transporte coletivo que queremos para as nossas cidades.” O prazo de financiamento das obras de transporte coletivo é 30 anos, com juros de 5,5% ao ano. Estados e municípios têm quatro anos de carência, ou seja, só começam a pagar quatro anos depois.a

Do Correio Braziliense

A presidenta da Petrobras, Graça Foster, é eleita a quarta mulher mais poderosa do mundo pela revista norte-americana de negócios FortuneAntonio Cruz / Arquivo Agência Brasil

A presidenta da Petrobras, Graça Foster, foi eleita pela revista norte-americana de negócios Fortune a quarta mulher mais poderosa do mundo. A primeira colocada no ranking de 50 mulheres é a CEO da General Motors, Mary Barra. As norte-americanas dominaram a lista de mulheres poderosas e influentes, com 30 das 50 colocações – inclusive, as três primeiras. Depois de Mary Barra, a revista lista as CEOs da IBM e da Pepsico, Ginni Rommety e Indira Nooyi, respectivamente.

Esta não é a primeira vez que Graça Foster entra nos rankings da publicação. Ela já foi a primeira colocada como a executiva mais poderosa fora dos Estados Unidos em 2012 e em 2013. No ano passado, a presidenta da Petrobras entrou no ranking da Forbes como uma das 20 mulheres mais poderosas do mundo.

De acordo com a Fortune, a lista foi criada por editores de acordo com o peso de fatores como o tamanho, a importância, a saúde e o futuro do negócio que as mulheres comandam, assim como a trajetória da carreira das avaliadas. Nessa primeira edição global do ranking, a publicação deu ênfase à atuação internacional das mulheres escolhidas e o seu posicionamento na comunidade internacional. Em edições anteriors, os rankings eram divididos entre executivas norte-americanas e aquelas que atuavam fora dos Estados Unidos.

Graça Foster, 60 anos, é engenheira química e a primeira mulher a comandar a Petrobras. Assumiu a presidência da estatal em fevereiro de 2012. Antes de assumir o mais alto posto da empresa, foi diretora de Gás e Energia e presidente da Petrobras Distribuidora, entre outros cargos executivos. Ela está há 32 anos no quadro de profissionais de carreira da empresa.

Da Agência Brasil

O Lobo de Wall Street. Título na língua original: The Wolf of Wall Street. 2013. EUA. Direção: Martin Scorsese. Elenco: Leonardo DiCaprio, Jonah Hill, Margot Robbie, Kyle Chandler, Rob Reiner, Jean Dujardin.

Filme deverá ser o destaque ou a polêmica no Oscar. Martin Scorsese e Leonardo DiCaprio, diretor e protagonista, em magníficas performances.

Martin Scorsese acerta mais uma vez. O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street - EUA – 2013) funciona como enorme holofote a iluminar obscuras situações e comportamentos entranhados nos porões de Wall Street – o único dinheiro verdadeiro que se observa aqui são as nossas comissões. Quase todo o resto é ficção, assevera experiente corretor a Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio) nos seus primeiros dias na Bolsa. De fato, os que colocam suas economias nas mãos daqueles corretores sabem que o terreno ali é movediço, fenômeno que estimula oscilações maníacodepressivas. Naquela atmosfera bipolar, as pessoas se movem quase sempre de forma instintiva. O ambiente realmente se assemelha ao de uma selva, que acolhe fauna variada. Lobos, por exemplo. Mesmo os de segunda classe, como Jordan Belfort. O filme baseou-se em livro que o próprio escreveu. Claro que Scorsese, assessorado pelo roteirista Terence Winter, trabalhou intensamente para transformar o material de base em argumento cinematograficamente atraente. Conseguiu essa façanha ao vencer o primeiro desafio. O desafio da estética. Poderia ter usado linguagem realista, cinema-verdade. E assim atendido às expectativas do pessoal do movimento “Ocupe Wall Street” e simpatizantes. Preferiu o seu jeito, o da gramática cinematográfica, que nem sempre é linear. Decidiu buscar inspiração no estilo de um dos seus mestres, Federico Fellini. O maestro considerava o mundo um circo. E é impossível não perceber a alegoria circense explicitada desde a primeira sequência de O Lobo de Wall Street, com um anão sendo arremessado em direção a alvo cartunesco. A partir de então, não será difícil o espectador distinguir os trapezistas, palhaços, mágicos, até encantadores de serpentes. Jordan Belfort seria espécie rara de simbiose destes.

Respeitável público…!

Jordan Belfort faz as vezes do apresentador, burlesca cartola à mão, que emula a plateia, criando suspense sobre a atração seguinte. Ele quase diz para os seus subordinados: “Agora, algo que vocês nunca viram. Uma ação que vale nesse momento vinte centavos atingirá preço cem vezes maior em menos de quatro horas!”. Com essa retórica, convida o espectador a embarcar em montanha russa alucinante, onde predominarão trapaças e adultérios, temperados por bebedeiras intermináveis e abundante consumo de barbitúricos e cocaína, esta cheirada diretamente dos mais variados

orifícios de belas mulheres de aluguel. Mais: diálogos onde o substantivo “foda” e o verbo “foder” são repetidos a cada minuto. Ainda seguindo pela  trilha felliniana, Scorsese deve ter exibido para o elenco Cidade das Mulheres, (filme-fantasia sobre sonho do personagem de Marcelo Mastroianni), com o objetivo de passar a “atmosfera” pretendida. Esqueceu, no entanto, de puxar o freio de mão na hora em que a câmera de O Lobo de Wall Street foi ligada.

Sem limites

Aos 22, Jordan Belfort é apresentado a Wall Street. Nível cultural e moral raso e ambição na estratosfera, aquele contato foi amor à primeira vista. Vai trabalhar numa das corretoras credenciadas. Mal chegado, a empresa é tragada por um desses tsunamis financeiros periódicos que dizima os especuladores mais ousados. Cai em depressão e começa a examinar possibilidades em anúncios de emprego. Já havia decidido se candidatar ao cargo de reles repositor em loja de ferragens, quando sua primeira mulher lhe aponta para um grupo de “consultores financeiros” outsiders, que funcionavam quase clandestinamente. Eram especializados em tungar trabalhadores sem instrução ou informação. Instantaneamente, Belfort  transforma-se no senhor absoluto daqueles escroques de quinta. Naquela selva de ratos e hienas, ele, mesmo sendo lobo de estirpe inferior, logo é considerado o passaporte para voos mais elevados. Os riscos aumentam e o dinheiro fácil se multiplica. Na primeira oportunidade, Belfort se livra da mulher e compra uma nova, Naomi Lapaglia (Margot Robbie). O seu comportamento torna-se hiperbólico; a partir desse ponto não teria mais limites. É quando finalmente a comissão de valores mobiliários, órgão regulador e fiscalizador do sistema, acende o luz vermelha e envia o sinal para o FBI. Tosco, Belfort cai na primeira armadilha que o agente Patrick Denham (Kyle Chandler) lhe prepara.

Síndrome de Peter Pan

Em paralelo à estética felliniana, O Lobo de Wall Street tem conteúdo psicanalítico marcante. Ao escrever suas memórias, Jordan Belfort praticamente se deita no divã. Sendo uma pessoa apenas instintiva, nível cultural precário, provavelmente não percebeu que, ao narrar suas peripécias, terminou por se revelar por inteiro. Coube com certa folga na ”Síndrome de Peter Pan”, diagnosticada em vários homens jovens no início dos anos 80 do século passado pelo psicanalista americano Dan Kiley. A principal característica daquele desvio ético é o estado de imaturidade emocional, que começa com ansiedade e narcisismo e termina em desespero. Pessoas incapazes de encarar sentimentos e responsabilidades dos adultos. No esforço para dissimular essa anomalia, recorrem ao fingimento e à falsa alegria. Impossível não ligar Jordan Belfort a esse paradigma de comportamento. Uma das sequências finais, quando voltou atrás em acordo que o livraria para sempre das encrencas, atesta que padecia daquele estado molesto. Era um peter pan hipertrofiado, o menino que se recusou a crescer. Nunca lhe impuseram limites. Quando teve oportunidade, avançou nas falcatruas contra gente simples. Apenas teve seu caminho interrompido, quando tentou adentrar na alcateia profissional. Lobos com pedigree não se misturam a tipos como ele. Assim funciona Wall Street. Apenas animais de categoria inferior como Jordan Belfort são capturados. Essa é a linguagem subjacente que Scorsese deixa perpassar durante todo o filme. Aliás, filmaço.

Coadjuvantes que potencializam o resultado

Donnie Azoff (Jonah Hill) funciona muito bem como sócio (e contraponto) de Belfort. Juntos são responsáveis por várias das melhores sequências durante as três horas de filme. O mesmo ocorre, um degrau abaixo, com o ótimo Rob Reiner, no papel do pai do protagonista. E Scorsese ainda se dá ao luxo de incluir ninguém menos que Jean Dujardin, o francês dono da estatueta do Oscar de Melhor Ator pelo desempenho em O Artista (2012). Só ele para dar vida e certo charme decadente ao banqueiro suíço Jean-Jacques Saurel.

Oscar de Melhor Ator mais do que merecido para Leonardo DiCaprio

A estatueta já deveria ter vindo com O Aviador (2004), quando incorporou um Howard Hughes magnífico. Ou oito anos depois, na pele do inescrutável diretor do FBI, J. Edgar Hoover, em J. Edgar (2012). O fato é que a Academia deve a homenagem a Leonardo DiCaprio. O Lobo de Wall Street poderá corrigir essa lacuna. Pode. Deve. Precisa.

Escrito por José Jardelino da Costa Júnior

Ig
abril 2014
D S T Q Q S S
« mar    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
Curta!
Mulheresnopoder