"Ajudando as mulheres a liderar, vencer, governar." ✫Desde 2009✫

Arquivos para a abril 18th, 2012

Arte RatoFX

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse nesta quarta-feira (18) que a pasta vai investir cerca de R$ 505 milhões na rede de unidades oncológicas do Sistema Único de Saúde (SUS). Os recursos serão aplicados em infraestrutura (R$ 325 milhões) e na compra de aceleradores lineares, equipamentos usados para radioterapia (R$ 180 milhões).

A previsão, de acordo com o ministério, é que nos próximos cinco anos sejam adquiridos 80 aceleradores lineares, expandindo o acesso ao tratamento para mais 28.800 pacientes ao ano.

Padilha explicou que a produção nacional desse tipo de equipamento só será possível com a futura instalação de uma fábrica no país, programada para entrar em atividade apenas em 2015.

“Hoje não existe nenhuma fábrica que produza acelerador linear no nosso país e [há] pouquíssimos fornecedores mundiais – na verdade, apenas dois grandes e outros de menor escala”, disse. “Isso fará com que a produção de equipamentos também seja cada vez mais sustentável, gere inovação tecnológica e empregos no nosso país”, completou Padilha.

As obras e os novos equipamentos devem ampliar tecnologicamente 48 unidades oncológicas que já oferecem radioterapia, além de criar mais 32 serviços. O objetivo, de acordo com o ministro, é reduzir a desigualdade no acesso aos serviços de radioterapia, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste e no interior do Sul, do Sudeste e do Centro-Oeste.

Atualmente, 135 dos 269 hospitais habilitados em alta complexidade em oncologia no SUS oferecem serviços de radioterapia. Há ainda 13 serviços fora de hospitais. Ao todo, a rede pública responde por 75% de todos os serviços no país voltados para essa área.

Apenas este ano, foram identificados 260 mil casos de câncer em mulheres, dos quais 27% são de mama e de colo do útero. O combate a esses dois tipos de câncer é considerado prioridade pela pasta.

Do Uol

Senador Jayme Campos (DEM-MT) Foto: Waldemir Barreto

O senador Jayme Campos (DEM-MT) apresentou em Plenário nesta terça-feira (17) o projeto de sua autoria que institui o Fundo Nacional de Amparo às Mulheres Agredidas, estabelecendo auxílio pecuniário temporário e treinamento profissional às mulheres que se separam por motivo de violência doméstica.

- Trata-se de prestar a essas mulheres assistência efetiva, com auxílio financeiro e capacitação, de modo a garantir sua independência mediante a oferta de condições de renda e segurança para sua adequada inserção no mercado de trabalho – explicou o senador.

Jayme Campos argumentou que financiar um recomeço para as mulheres vítimas de violência doméstica e seus filhos vai além do mero assistencialismo, mas trata-se de “libertar mulheres da dependência e da humilhação” de uma estrutura familiar que classificou como “violenta e falida”. Sublinhando a necessidade de estabelecimento de mecanismos que propiciem sustento mínimo e autonomia pelo trabalho, o senador lembrou que o índice de violência doméstica chega a 28,9% nas grandes cidades e 36,9% no restante do Brasil.

- Estamos certos de contar com o apoio não só dos ilustres pares em ambas as Casas do Congresso Nacional, mas também das demais vozes da cidadania, para o aperfeiçoamento e rápida tramitação desta matéria – disse Jayme Campos, que espera que a lei possa ser sancionada ainda no mandato da presidente Dilma Rousseff.

Da Agência Senado

Ilustração da presidente Dilma Rousseff para a lista das 100 pessoas mais influentes do mundo da Time Reprodução/Revista Time/Luke Wilson

A presidente Dilma Rousseff repetiu o feito de 2011 e aparece mais uma vez na lista anual das 100 pessoas mais influentes do mundo feita pela revista norte-americana Time.

Alguns nomes da lista já haviam sido revelados, mas a lista completa foi divulgada nesta quarta-feira pela Time.

A lista traz três brasileiros. Além da presidente Dilma, estão nela o empresário Eike Batista e Maria das Graças Silva Foster, atual presidente da Petrobrás.

Esse ano, quem assina o texto sobre a presidente brasileira é a também presidente Cristina Fernandez de Kirchner, da Argentina, que não figura na lista.

“Uma vez eu vi uma fotografia da presidente Dilma Rousseff com 22 anos de idade. Ela estava em um tribunal militar, em 1960, formado por juízes que escondiam seus rostos com as mãos. Os papeis pareciam estar invertidos: era Dilma quem estava acusando não só o sistema militar, mas os cúmplices na injustiça de excluir a maioria do poder durante as décadas em que os generais ficaram no poder”, escreve Cristina.

Em seguida, ela relembra seu primeiro encontro com Dilma, em 2003, quando ela era ministra da Casa Civil do governo do presidente Lula. “Ela tinha o mesmo compromisso que aquela garota na foto”, escreveu a argentina.

“Hoje, com a liderança de Dilma Rousseff, nós vemos o Brasil convicto de que seus interesses nacionais estão absolutamente ligados ao interesse de seus vizinhos”, finaliza Cristina.

A lista ainda traz nomes como o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama; Mitt Romney e Ron Paul, dois dos pré-candidatos do partido republicano às eleições americanas deste ano; a secretária de Estado americana Hillary Clinton, Christina Lagarde, diretora do FMI, e o premiê israelense Benjamin Netanyahu, entre outros.

Do Uol
Ig
abril 2012
D S T Q Q S S
« mar   mai »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  
Curta!
Mulheresnopoder