"Ajudando as mulheres a liderar, vencer, governar." ✫Desde 2009✫

Arquivos para a agosto 20th, 2011

Arte RatoFX

O livro é bem melhor do que o filme. Já ouviu essa?

A criação da nossa mente é sempre mais rica do que a realidade. É óbvio! Acessamos as nossas lembranças quando lemos um livro e a imagem que fazemos nos é familiar. O filme é a imaginação de quem o dirige, ou do roteirista. Talvez para eles o filme seja melhor do que o livro.

Alguns tem mais imaginação do que outros, mas ainda não conheci quem não sonhasse. Dias mais tranquilos, uma praia paradisíaca, um emprego melhor e por aí vai. Os pensamentos vagueiam e perdemo-nos em devaneios. É fácil refugiar-se na fantasia. Afinal, lá é outra civilização e ainda somos amigos do rei, já dizia o poeta.

Fantasiar é bom. É o que eu acho. E faço. Mas, às vezes, esse exercício de imaginar e pensar traz situações adversas. Esqueço-me de falar. Ou penso compulsivamente em um determinado assunto até desgastá-lo. Ou desgastar-me. Quando isso acontece é péssimo. Além de não encontrar solução para o que quero, aborreço-me e, invariavelmente, descubro que estava fazendo tempestade em copo d’água.

Hoje de manhã me reconheci na história de uma amiga. E coisa boa é ver que os outros também cometem trapalhadas, não é mesmo?

Há uma semana ela sofre em silêncio por ter de ir a uma festa da empresa onde não será permitido levar o acompanhante. O marido – além de ciumento – já possui compromisso para a data e não iria de qualquer forma. Desde que recebeu o convite ela argumenta com ele – mentalmente – que a comemoração será apenas uma extensão do trabalho e não um evento social.

Escolheu até um vestido novo para usar na tal festa, mas não o experimentou, pois o ciumento de plantão não desgrudou dela por um minuto sequer. A sua situação poderia piorar muito se ele soubesse que ela queria ir e ainda se arrumaria mais do que de costume. Bom, isso é o que ela pensa, pois ainda não conversaram sobre a festa.

Finalmente arruma uma brecha. Ele sai para comprar o lanche das crianças, ela experimenta o vestido. Enquanto se regozija com a imagem no espelho, ele chega. Quando a vê no vestido novo, briga sem motivo aparente e vai dormir. Ela sabe que foi o vestido. Ele não disse isso, mas ela sabe.

De manhã ela opta por uma roupa qualquer, que havia, inclusive, usado na semana anterior. Nada de maquiagem. Entra no carro com ele e, por fim, descobre o real motivo da briga. Ele batera o carro voltando da lanchonete.

Despedem-se na frente do trabalho dela com um beijo. Antes de ela sair do carro ele indaga:

- Vai vestida desse jeito para a festa? Não tinha uma roupa melhor?

Carolina Vianna

 

Carolina Vianna é fotógrafa, Poderosa e escreve para o Mulheres no Poder.

Ig
agosto 2011
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Curta!
Mulheresnopoder